Pesquisar...

Mostrando postagens com marcador sacharuk acrósticos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador sacharuk acrósticos. Mostrar todas as postagens

águas claras–acróstico

águas claras

Ah se a maré é da lua
Gelará coesa em cristais
Utópicas moléculas espúrias
Água suja em mananciais
Sequestrada na boca das ruas

Clara não é sempre a água
Lacrimal vertente de oceano
A água empurra as mágoas
Ribeirões estouram os canos
Assim somente deságua
Seus correntes instintos insanos

sacharuk



poeta nu - acróstico

poeta nu - acróstico

Pelado!
O maldito poeta
Esteta
Trafegava
Alamedas e anseios

Na alma trajava
Um verso livre

sacharuk


Lírica! Um acróstico


lírica! Um acróstico

Lírica, teu grito desvairado
Insinua sonhos pervertidos
Raios de sol negras luas
Interstício de amor decantado
Cadência dentre o vestido
Artesania das formas nuas

Diz algums versos, louca
Ora recita ao meu ouvido
Saliva- te em minha boca

Sinuoso poema declinado
Envolto em fogo imaginativo
Imerge dentre teus seios
Os versos acendem desejos
Seus olhos me fitam cativos

sacharuk    

painting by Lilian Patrice






nereida de gesso - acróstico

nereida de gesso 

Faltai-me
Indignas paixões
Quedai nos braços da paz
Um mar sem embarcação
E um porto abrigo sem cais

Encontrai o meu signo
Movendo velas no mastro

Pó de gesso, alabastros
Asas alçando o desígnio
Zarpando dentre os corais

sacharuk



navegante solitário–acróstico

navegante solitário

Navegar obscuros oceanos
Ancorado nas esperanças
Velas vãs voltadas ao norte
Esperando na proa dos anos
Girar o leme das lembranças
Ao mando da estrela da sorte
Naufragar repetidos enganos
Tempestades ou bonanças
Encontrar as águas da morte

Solitário se fez navegante
Os ventos como companhia
Longa vida em mares distantes
Iluminado pelo horizonte
Timoneiro da capitania
Amigo das correntezas
Refugiado entre céu e terra
Investido dessas profundezas
Onde a vida se encerra

sacharuk


teu rosto no espelho - acróstico

teu rosto no espelho

Tua taciturna imagem, pai
Emerge do espelho da minha alma
Uma mescla de vigor e de calma

Refração única de nossas faces
O reflexo confunde os sinais
Soma de traços tão ancestrais
Tradução sucessiva de enlaces
O vínculo entre filhos e pais

No teu doce abraço, meu amigo
O carinho tácito, nosso abrigo

Eis que hoje somos refletidos
Sou tua sombra e tua herança
Percebidas além dos sentidos
Entre a espera e a esperança
Logo, talvez sejamos um, pai
Holograma de elos perdidos
O espelho remete à lembrança

sacharuk




versos de amor–acróstico

versos de amor - acróstico

Vozes hipnóticas em recital
Entoaram versos de amor
Rimas belas ao natural
Sons imersos em clima e cor
Ondas poéticas no madrigal
Secaram as lágrimas da dor

Durante noites mágicas
Ecoaram peças trágicas

Assim nasceu eterna poesia
Movendo asas na inspiração
Ora tristeza ora alegria
Real contraponto ao coração

sacharuk


Photography/Creative Direction: Monia Merlo


hiato Iluminado

hiato iluminado - acróstico

Fecharia meus olhos
Enquanto meu tato
Colorisse teu universo;
Haveriam contornos
Assimétricos abstratos
Ritmando meus versos

Olhos fechados
Salvaguardados mistérios

Olharia encantado
Linces olhos etéreos
Hiato iluminado
Olharia teus olhos
Seduzindo meus versos

sacharuk


não estou para falar de amor se ele ainda não dói, nem rói, nem pede flor. Não há flores na minha poesia, as arrancadas são mortas, são decoração de sepultura. Meu poema é heresia. Conheço esse tal de amor, não encontrei deus algum e amor e deus até podem ser compatíveis mas não dependem um do outro, o único ponto em comum: eles não são invencíveis. Não falarei de coisas que desconheço, pois o meu apreço é pelo amor que sinto e não devo a uma criatura que o senso comum insinua e minha cabeça não atura. Minha escrita é a riqueza que colho do meu presente, mesmo que seja inventado, pois poeta mente, mas não se faz ausente, e eu não vivo de passado nem me dedico à tristeza, só quando fico parado. Grito contra o que abomino e não suporto determinismo. Minha ferramenta é o poema e meu alvo é o sistema. Sou tipo existencialista meio insano, meio analista, falso moralista, talvez sartreano. Tenho a marca da história. Todo gaúcho é artista e sou pampeano com muita honra e glória. Sou amigo da filosofia e esta não é feita de fadas, nem gnomos e crenças, nem de almas penadas ou universais desavenças. Eu vim aqui escrever poesia e isso para mim não é só brincadeira, pois no fim, o que consome energia é o abre e fecha da porta da geladeira.