A poesia delira ao diapasão e, logo, intenta aos acordes da lira. Poesia que tanto descreve saliva de beijo, bem como a imagem do pensador com o queixo poisado nos dedos. Poesia pode andar no eixo para não ouvir queixa, mas pode andar fora e criar desavenças. Há poesia das crenças, poesia do lixo, poesia pretensa, poesia das gentes, poesia dos bichos. Ela é o amálgama do mundo, verte por tudo. É ofício dos nobres, sedução dos espertos, marofa dos pobres e sina dos vagabundos. Também vive escondida na língua dos analfabetos. Poesia é isso tudo e mais outro tanto, no entanto, poesia não é absurdo. Absurdo é querer-se mudo; absurdo é querer-se surdo; absurdo é querer-se cego. (Tudo e mais outro tanto - sacharuk)

OFICINA DE ESCRITA LITERÁRIA INSPIRATURAS - on line e presencial - novos desafios - inscreve-te! Integra conceitos, técnicas e inspiração em desafios lúdicos e escreve poesia, crônicas e contos

sexta-feira, 28 de agosto de 2020

versos de néctar

versos de néctar

corpo sim
             de dentro para fora
tal orvalho na aurora
sol em luto
amor em palavra
escorre pelos cantos
                dos muros

verte umidade
quando acontece
o líquido fel                   
          desce do céu
derrete os metais

lindo sim
a pegada e a gana
os sussurros fatais
      o assalto das vontades
        desintegração dos poros

e os corpos
               envoltos pela cintura
bailarinas loucas
     serpentinas impuras
              de livre poesia

a língua pronuncia
     versos de néctar
         plenitudes na boca

sacharuk




terça-feira, 25 de agosto de 2020

a mediocridade da obediência

a mediocridade da obediência

o pastor abençoado
cultiva estereótipos
do mundo das criaturas
de boa vontade
onde as coisas  são puras
não admite a diversidade

o pastor abençoado
não foi transformado
pela cultura
sequer convencido
pela ciência
segue os preceitos
da sua crença
dorme decorando
as escrituras
na mediocridade
da obediência

sacharuk



o desejo e a fome

o desejo e a fome

alucina-me no ardor
desse odor tão sublime
absolve minha coragem
e envolve minha face
na profundeza das sombras

quando a bifurcada língua
irrompe e logo blasfema
e como ágil serpente
inocula no teu sexo

entre as coxas me perco
acho que  nunca me acho
onde o desejo é presente
a fome nunca descansa

sacharuk


segunda-feira, 24 de agosto de 2020

anel de tucum

anel de tucum

confesso cinzentos medos
ensino-te segredos
do verde chimarrão
do amanhecer ao sereno
e o sol amarelo
a queimar nossos vícios

a noite azul fria
aquece nossa estalagem
quando envolves meu dedo
reluzindo tua graça
na singela inscrição
delicado anel de tucum
para selar compromisso

perpetuo meu nome
no centro da morfologia
que demarca tua nuvem
e depois do café
ainda regas as flores
do meu róseo jardim

e por fim
na lagoa da poesia
eu colho as cores
que te sinto

sacharuk


quinta-feira, 20 de agosto de 2020

Tecnologias & Carnavais e o cu do Diabo, por Véio China - www.inspiraturas.org


quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Tecnologias & Carnavais e o cu do Diabo


Sim, estou bêbado e quero falar sem me importar sobre o que. Posso dissertar mulheres, futebol, religião ou mesmo relembrar coisas minhas antigas bandas progressivas. Presumo porém que seria um papo dos mais chatos, logo, vou poupá-los.

Bem... e que tal se falássemos de carnaval? E por que não? Afinal neste momento os foliões de Rei Momo enchem o saco à porta de casa, assim como o fizeram no ano passado, retrasado, ado, ado. Isso! Falemos então do carnaval desse ano, 2013, onde tivemos Vila Isabel e Mocidade Alegre como campeãs no Rio e em São Paulo!

Lembro do carnaval do ano retrasado e eu estava mal ou pior que estou agora. Não há como esconder que minha vida se parece com uma dessas bolhas de sabão levitando no ar, graciosas, mas que nos desafiam. Logo, há um prazer em ser menino e apontar o dedo, dar uma cutucada, e "ploc", acabar com a festa.

E é assim que me sinto, algo in, meio acabado como terminaram com o carnaval, este inclusive que achavam estar curtindo lá fora, numa cantoria desenfreada. E eles não me são surpresa, fazem parte do "Bloco da Cachaça" e são mais ou menos uns 400 ou 500 integrantes. E eles não são só vozes, são outras coisas que fazem a música se assemelhar ao trem bala em movimento, repiques de baterias, batidas de surdos e tamborins, acompanhados por sonoros trombones, cornetas, pistões e tubas. "Olha olha olha a água mineral, água mineral.." - É o que eles cantam. E o que me incomoda não é o fato da zorra provocada pela histeria popular e nem de estar bêbado como estou. Não, não é isso, pois para mim tais fatos me são clichês, aliás, assim como sou o clichê em pessoa. O que na verdade me deixa puto da vida é a mesmice de todos os anos, pois à tempos deixou de existir o verdadeiro carnaval, restando apenas coisas que pretendem ser interessantes, presas a uma tecnologia imprevisível e inovadora.

Para mim a festa deixou de ser a festa do povo e para o povo, pois o carnaval de Momo se tornou um hipermercado globalizado que expõe em suas vitrines ilustres figuras da sociedade, artistas de TV, jogadores de futebol, top models, políticos, além de astros e pessoas proeminentes do Jet Set internacional. E aquilo que unicamente era para ser alegria e música se tornou um show de transformações ao expor aos meios de comunicação todas as novidades da medicina estética. Verdade, outro dos nossos clichês, já que renomados cirurgiões cobram os olhos da cara para despejarem nos salões e nas avenidas televisivas mulheres esculpidas à dedos e bisturis, ludibrioso festival de peitos, bundas, culotes e abdomens, tudo milimetricamente reformado como se fosse um veículo saído da mecânica, funilaria e pintura.

E não vejo exageros ao reafirmar, pois é só apreciarmos as beldades na Sapucaí para percebermos os tantos ml dos seios siliconados. E a isso se aglutinam outras benesses estéticas como as lipoesculturas, preenchimentos dos glúteos e em tantas partes. Convém frisar que para essas reformas se utilizam fartamente de materiais importados, e por quê? Porque as mulheres, além de suas vaidades, dinheiro e glamour levam em conta aquilo que acreditam ser os cuidados para a saúde, e muitas descartam a matéria prima nacional como se fosse de péssima qualidade, afinal estamos um pouquinho aquém do terceiro mundo, óbvio. E sobre tais questões até que são fáceis de compreendê-las, já que tudo se resume em tentar manter o padrão, o status quo, a aparências subjugando o espírito, alvo de escolhas, assim como pedir a qualquer socialite à escolha entre Erasmo Carlos ou Bono Vox para tietar numa foto. Evidente, para ela não haveria qualquer dúvida, e todos sabemos a resposta.

Pois é! E assim de tecnologia em tecnologia o meu tempo está se esvaindo assim como rareiam as tradições que se dobram ao avanço do tempo. E o progresso está por todos os cantos, todos os lados onde há e se respira um pouco de vida. E a evolução deixa marcas por onde quer que passe, são maiôs e seus tecidos criados em laboratório quebrando os recordes das piscinas mundias. É um simples frango à passarinho preparado por eletrodomésticos de última geração em menos de cinco minutos, e sem necessitar uma única gota de óleo. Qual é o segredo neste caso? Sim, eu conto; são 200 graus hermeticamente fechados, gerando vapores circulantes, quadruplicando a pressão e cozendo. Depois é só abrir as cervejas e eis aí o galináceo pronto para ser degustado. Sim, juro, não é mentira, eu vi a propaganda na televisão. E essa e outras maravilhas apontam para um fator preocupante, pois num futuro bem próximo poderemos dando um bye bye para as substâncias gordurosas, principalmente ao óleo de soja, e o que também não seria de todo mal, afinal, até transgênicos andam empurrando por nossa goela abaixo.

Sim, sei que deverão estar deduzindo "Porra, ouvir papo mala e de de bêbado é foda". Verdade, eu disse que estava bêbado, ébrio, invocado com essa merda toda de tecnologia. E já que estou pra lá de Bagdá, e já que estamos falando em progresso, há a questão da segurança, essa mesma que falta ao cidadão comum e que se estampa em manchetes diárias. Me questiono; Será possível nos tornamos insensíveis ante as barbáries e crimes hediondos? Pois é, acredito que não, mas, até nisso a tecnologia expandiu seus tentáculos. Hoje quase não há a necessidade do velho e bom policial com faro de justiça, aquele como Peter Falk do "Columbo", um popular seriado de TV da década de 70. Não, hoje não há Columbos, pois combatem o crime com fartas doses de ciência onde a necessidade de pistas ou testemunhas passou a ser circunstancial, afinal, ínfimos fragmentos de DNA colhidos no local do crime poderão apontar os culpados.

E esta realidade me faz revoar o romantismo do passado e imaginar coisas absurdas como um Sherlock Holmes sentado numa poltrona de tecido imundo num conjunto de 20 m2 na Barão de Itapeteninga. Sou capaz de vê-lo com olheiras profundas, alguma desnutrição e os olhos pregados ao telefone no aguardo de um único cliente. Óbvio, Holmes seria obsoleto à moderna ciência investigativa.

Evidente, e o com o carnaval não é diferente, e ele cede espaço ao progresso e a finalidade se perde e tudo se torna tão sem graça. Sim, concordo, algumas coisas não mudam e jamais mudarão, como a sede dos foliões que, agora e com bebidas ás mãos cantam neste sábado de carnaval coisas desconexas como - Olha olha olha a água mineral.. - Sim, sei que tenho a minha parcela de culpa; quem mandou morar no festivo e boêmio bairro do Bixiga?

Aliás, além das ébrias cantorias que desfilam diante das vistas do meu portão, o que não falta em época de samba na avenida é hipocrisia. E ela.é farta e começa com governo distribuindo camisinhas à custo zero, como se a contaminação do HIV fosse exclusividade dos foliões. E se assim considerássemos, deveríamos dar um par de camisinhas a cada um dos participantes dos bailes funks por esse Brasil fora, princialmente na cidade e nos morros do Rio de Janeiro. Acredito que talvez não saibam, mas ás vezes gostaria de estar na pele dum desses jovens de hoje, estar cantando la fora, ser o número um do Ita, fazer parte e compreender toda essa tecnologia, a qual por vezes gera desemprego. E não seria só isso, talvez aí então eu conseguisse entender parte de suas realidades e utopias - Sim, sei que vão dizer que sou amargo e que sinto inveja, ao que respondo; Sou amargo, confuso e sinto inveja, e daí?

Portando, pensando em todos esses fatores é que levanto da mesa e espreguiço corpo e vou ao refrigerador e consumo dois copos de água gelada. Fecho a garrafa de Coca-Cola de 2 litros onde acondiciono a água e volto para a minha cadeira de estimação e sorvo parte duma dose da Sputnik.
Num olhar vago repouso o copo à mesa e dedilho três dos meus cinco dedos da mão direita no casco até fazê-lo gemer um som oco e de vidro. Óbvio, é o indicador que a bebida já era. Depois persisto o olhar no nada, absoluto, quando flashes da esplendorosa Leila Diniz pipocaram em minha memória. Não me contenho; Leila sempre foi a minha ideia de perfeição.

-Ah, que merda - Exclamei -! Leila sim era o sinônimo de festa e alegria. Leila era vida. Leila era o próprio carnaval! - Lamento ao olhar o pinguim, um pequeno bibelô que reside há anos no alto da minha geladeira. Ele apenas me olha e pude ver o sorriso cretino estampado em seu rosto de louça. E apesar de não tirar os olhos de mim ele nada fala, apenas me olha e olha.

- Ah, quer saber? Foda-se o carnaval! Foda-se a toda essa tecnologia! - Digo para ele ao sacolejar meus ombros. Definitivamente acho que jamais vou me libertar dessas besteiras que me acompanham e nem do seu olhar que nada diz.

Carnaval..carnaval...Mas também pouco ou nada eu perco, de fato. Para falar a verdade tenho pena desse pessoal aloprado curtindo carnavais pelo Brasil afora e ao som de trios elétricos. São guitarras, baterias e contrabaixos plugados a potentes amplificadores, substituindo a genuinidade dos sons das cuícas, pandeiros e reco-recos. Já não é surpresa o show de pirotecnia no alto desses carros, principalmente na Bahia, onde fogos de artifícios espocam colorindo os céus num espetáculo visual que sufoca a simplicidade e o romantismo dos velhos tempos. Sim, há toda a saudade duma época onde quem sambava eram passistas e não efeitos especias. Sou da velha guarda, daqueles que, juntamente das escolas de samba da década de 60 jamais sonharia com engenharia eletrônica incorporada ao desfiles, George Lucas na Sapucaí. Quem em sã consciência e à partir daquela década poderia supor homens carregando às costas coisas parecidos com extintores de incêndio que, os fariam sobrevoar a avenida?. Não, jamais, era totalmente louco imaginar tais incorporações naqueles tempos. Logo, não sabíamos de nada, assim com essa juventude nada sabe sobre o passado, nem mesmo faz ideia que a melhor marchinha do carnaval de todos os tempos foi aquela que sempre fez o Brasil cantar...."A Estrela Dalva, no céu desponta e a lua ... - Sim, sei que sou nostálgico, melancólico, e..estou bêbado, porém jamais serei falho em lucidez e memórias, pois a mais louca sandice deixei para lhes contar agora ao fim.

Sim, e a loucura ocorreu no domingo de carnaval do ano retrasado, exatamente de 2011. Tanto quanto nesse momento o Bloco da Cachaça cantava lá fora, e eu estava alcoolizado e num estado mais miserável se comparado ao desse e do último ano. Como seria de se esperar questionava nesta mesma cadeira coisas parecidas com as quais questiono agora ( por isso disse que sou clichê)

E as dúvidas prosseguiam até o ponto que uma voz de tonalidade grave me subtraiu das importantes reflexões, sugando meus pensamentos como se fosse um aspirador de pó.


-Calma..calma, Carlos Quaresma - Dizia ela. Olho para um lado, para outro e, nada. Talvez estivesse sentindo na própria carne os distúrbios da bebida - Pensei naquele instante - Descompassado tamborilei os dedos no tampo da mesa, quando novamente....

-Calma, muita calma nessa hora! - A voz insistiu num tom mais ameno. Desconfiado fui à janela e abri as cortinas e olhei pelos vidros e não havia ninguém lá fora. Receoso me dirigi à porta e pé ante pé inspecionei o olho mágico e não vi qualquer criatura postada atrás dele.

-Quem é que ta falando? - Perguntei ao vento. Claro, estava assustado, afinal nesses tempos nos sentimos inseguros dentro das próprias casas. Procurei não fazer qualquer ruído e apurei os ouvidos e a voz soou ainda mais nítida ao parecer próxima:

-Calma, devagar que o santo é de barro! - Ela disse e me fez lembrar frases de vovó - Fique tranquilo homem, não tenha medo. sou eu, o teu subconsciente... - Concluiu. Desconfiado, pensei que ja tinha passado da hora parar de beber. Ainda olhava ressabiado para os lados quando o tom volta à carga:

-Quaresma, estou te vendo tão macambuzio e apático, que resolvi vir aqui e te dar uma força. Cara, o carnaval e o mundo não são tão pavorosos como está pintando.. - Concluiu num tom professoral. A voz soava pretensiosa e talvez pretendesse me catequizar um pouco mais, porém, assustado o interrompi numa única pergunta que cabia ante o estapafúrdio da situação:

-Comasim? Não estou te entendendo! Você é meu subconsciente? - Mal acabei de perguntar e veio a resposta

-Mas que merda! Tu é surdo veinho? E que coisa mais babaca esse negócio de ..comasim...comasim!

-Comasim? - Persisti. Eu estava perplexo demais. Dessa vez ela pareceu mais austera, realmente estava brava ao responder

- Acorde pra vida homem! Estamos na era da coletivismo insano, a Babilônia dos tempos modernos. Para ser mais coerente com seu raciocínio retrógrado resumirei tudo numa linguagem que está afeito - Estamos em tempos do sem pés e nem cabeça - Finalizou. Bem, além da veemência, a voz me tratou como se eu fosse um ser pré histórico, descoberta arqueológica, assim, um Tiranossauro Rex. Certamente aquilo me irritou e eu não engoliria o seu despautério e nem permitiria os seus desaforos, não ali na cozinha da minha casa

-Sim, seu monte de excremento! E qual o grande problema da vida estar sem pés e cabeça? - Indaguei ao não entender bulhufas do estrambótico raciocínio. Talvez o meu subconsciente estivesse sofrendo de distúrbios equizotípicos ou coisa assim.

-Bem..e daí...e daí! E daí veinho, é que você tem que sair por aí, se enturmar. Esqueça o Word e essas coisas pavorosas que você escreve, não vai ganhar dinheiro com isso e nem faturar o Jabuti. Saia homem! Saia e vá viver, curta uns baseados, alcoolize-se com uma daquelas belas garrafetas do Absinthium 1792 tcheco, legítimo. Você sabia que os Rolling Stonnes voltando à moda? Então... tem mais é que curtir a vida, velhote, é isso! Saia, tome uma boa ducha e encharque sua camisa negra de Paco Rabanne comprado há dez anos e vá dar uma bandas por aí, olhar os rabos de algumas rampeiras da Rua Augusta. Se não dar certo, procure uma boa cinquentona nos bailes da saudade da vida. Ó...ali na Alameda Barros tem um da hora!

Estupefato eu ouvi as suas grotescas sugestões e propostas. Uma cinquentona de baile da saudade? Era só o que ma faltava! Ele só podia estar louco, apesar que o mais provável era o fato de ser ver perdido do conceito "politicamente correto". Enfim, meu subconsciente estava pior que imaginei. Ao fim, foi tanta asneira que, inevitável foi resistir à minha indignação. Explodi:

-Vá à merda seu subconsciente pervertido! - E após a agressão o estapeei fisicamente, aliás, estapeei a minha própria fronte

-Ai..ui..ai. Para! - Queixou-se, dolorido. Depois se saiu com uns "Tsc..tsc..tsc" - numa clara intenção de zombar de mim

E aquilo me deixou mais irado que estava, pois, não há nada pior que um subconsciente gozador, desses que se escarnecem às custas do próprio senhorio - Tive que admitir com certa frustração. Todavia ele era o rei da persistência.

-Quaresma, aqui vai a minha derradeira sugestão, talvez seja tua última chance de ser feliz. Topas? -

Olhei para ele. Ele me parecia sincero dessa vez. E outra...eu estava muito carente.

- Claro, tô dentro! Pra ser feliz faço qualquer merda - Devolvi com alguma esperança tirada não sei de onde, talvez do poço seco de mim.

Assim que as palavras abandonaram a minha boca me arrependi, afinal, aquilo era loucura, insanidade, talvez o efeito da bebida ordinária. Mas pensei no ditado; Deus escreve certo por linhas tortas. Sim, eu estava longe da religião e isso não vem ao caso, mas.. por que não dar ao meus subconsciente a chance da remissão? E outra, o estado democrático sempre defendeu que deve ser livre toda forma de expressão, portanto a palavra é o mais contundente jeito de se exprimir. E por fim, talvez o subconsciente estivesse me chacoalhando, ensinando-me a ser mais otimista e condescendente. Claro, tudo me parecia tão nítido agora, e outra, talvez o pessimismo de sempre me fizesse negar que o subconsciente é como uma moeda e tem dois lados, cara e coroa, ganhador e perdedor, talvez quisesse me presentear com o lado da vitorioso, cara ou coroa, tanto faria, desde que eu não perdesse. E outra; e ele me parecia tão cúmplice e acolhedor....

Ainda pensava em suas propostas quando sua voz soou autoritária, marcial, fazendo-me recordar dos tempos autoritários, AI5, General Costa e Silva. E eu estava ansioso, queria me livrar da vida miserável em que me metera.

-Hã rã - Ele pigarreou. Depois continuou: Carlinhos, é o seguinte! Aqui está o remédio para todos os seus males; CRIE UM PERFIL NO FICCI BUK...O MUNDO ESTÁ LÁ! - Ele proferiu a queima roupa.

-Hã, como assim..como assim...criar um perfil no Ficci Buk? - Repliquei estarrecido. Aquele sujeito provavelmente era um irresponsável ao indicar o Ficci Buk para um sociopata como eu. Evidente, não poderia deixá-lo sair dessa impune. Eu estava colérico:

-Comasim...seu grande filho duma puta! - Contestei - Em vez de tu me indicar uma boa e saudável cagada, me avia um receituário que acelera evacuações freqüentes e abundantes? O que você quer é me ver morto com diarreia mental - Vociferei. Partes dos meus gritos provavelmente foram ouvidos pelos foliões que berravam lá fora a cretina "Doutor eu não me engano, meu coração é corintiano". A princípio a voz se mostrou surpresa, porém, insensível Alguns instantes dum silêncio constrangedor e o meu subconsciente se abriu no mais amplo dos seus sorrisos. Ele não se calava nunca!

-Carlos Quaresma, você é um recluso da contemporaneidade .. Saiba homem....o FICCI BUK É O CU DO DIABO! - Bradou. Depois completou;- Provavelmente o teu computador é um 386, usa o Windows 95 e ainda com drive de disket 1.44 Mb - Caçoou. Após a imbecilidade de sua chacota seus risos à princípio intermitente, tornaram-se sucessivos.

Suas gargalhadas ainda reverberavam em minha mente quando numa corrida trôpega fui à direção do banheiro para vomitar. Ao retornar a náusea cedera e não havia mais a voz, entretanto sei que suas gargalhadas jamais me abandonariam, logo não é falso afirmar que o histérico dos seus risos me remetiam às gargalhadas de Satã nesses filmes classe B.

Sim meus amigos, foi uma loucura o que ocorreu. Por conseguinte deixa-me voltar à geladeira e me servir de mais dois copos de água naquela mesma garrafa de Coca-Cola e retornar à minha cadeira de estimação e recordar outros detalhes. Sei que naquele domingo e ao fim da tarde esteve sobre a mesa a garrafa da vodca Sputnik, nacional, meia boca , consumida em menos de cinco horas após tê-la comprado no mercadinho da esquina um mercado de propriedade de japoneses que, tanto quanto eu querem que o carnaval se foda.

Recordo também que com as pernas bambas chutava a vassoura à porta da sala, e num impeto de raiva quase atirei o pobre do pinguim quintal afora. Porém ao pegá-lo à mão contornei a sua silhueta de louça e voltei com ele para o alto da geladeira. Olhei novamente e lá estava ele e o seu sorriso impassível, nem de feliz, nem triste, apenas impassível e misterioso. Retornei para a mesa, sentei á minha cadeira de estimação e emborquei o último gole da garrafa de vodca. Em seguida, trêmulo, fui para o quarto de dormir, afinal, precisava ferrar no sono sem dar chances para que outras mirabolantes demências me fizessem pirar de vez.

Certamente vocês devem estar me achando um sujeito louco, batendo bielas, um carburador entupido. Claro, e é compreensível, e eu também me acharia. Porém, talvez eu não seja louco, apesar de sempre me sentir como um.

Entretanto mesmo com toda essa parafernália tecnológica sabemos que vivemos na era das meias palavras, meias verdades, meio tudo. Enfim...mas mesmo assim sei que seriam poucos os que teriam a coragem de admitir a própria insanidade.

Que venha o carnaval do ano que vem.

Copirraiti06Fav2013
Véio China©

Atrás de cada cavalo sem dente sempre há um bom motivo, por Véio China - www.inspiraturas.org


quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Atrás de cada cavalo sem dente sempre há um bom motivo


Enfim havia chegado o grande dia. Coloquei meu melhor terno, caprichei o gel nos cabelos grisalhos sem me esquecer de aparar a barba e decorar o rosto com inseparáveis óculos Ray-Ban safra 81.
Saí de casa exatamente as dez pras oito da manhã e faltando 25 minutos para as nove guardava o Weekend 98 num estacionamento da Av. Paulista que me cobrou 30 pratas por duas horas, apesar de usar pouco mais da hora cheia. Saindo da garagem facilmente encontrei o edifício, próximo dali. Tomei o elevador e pedi o 33º andar. Ao descer percebi que o pavimento se ocupava totalmente pela empresa que visitava. Pontualmente as quinze pras nove adentrei a recepção e fui atendido pela secretária que me acolheu com simpatia e pediu para que me a comodasse no sofá defronte de sua mesa. Assim procedi e ela me olhou algumas vezes pelos poucos mais de 10 minutos que permaneci ali.

Claro, o fato de olhar com frequência me instigou, porém fiquei mais tranquilo ao inspecionar o terno que parecia não trazer sinal de sujeira ou manchas de gordura. Pensei no motivo de suas flagradas e divaguei se a sua curiosidade deveria ser creditada à minha feição amassada e o nariz largo e achatado adquirido logo após a juventude ao meter-me nas lutas de boxe.

Evidente, à época eu gostava de ouvir aquilo que me acariciava o ego, portanto, iludido pelo dono da academia e seu sócio, talvez mais interessados nas mensalidades que em mim, foi que me fizeram acreditar que eu seria um ótimo lutador. É importante lembrar que no início obtive alguns bons resultados em torneios amadores, mas a verdade surgiu nos quase cinco anos de profissionalismo e numa última luta me inutilizou para o boxe devido a um deslocamento de retina.

Enfim, uma triste história em cima dos tablados que me deixou de herança socos que devastaram o meu rosto com jabs, cruzados, diretos e pontas de queixo desferidos por adversários que não desperdiçavam chances assim como um caçador sabe que não pode errar sua última bala diante do leão que se aproxima.

-Sr. Norman, por favor! – Às nove horas em ponto a secretária me rapta das lembranças e nocautes solicitando que a siga. Incontinenti iço o meu corpo de mais de 90 kg do estofado de couro e acompanho seus passos que seguem à minha frente.

Mesmo sendo pouca a distancia me era possível apreciar naquela moça a graciosidade dum corpo de cintura fina, rabo generoso e um grosso par de coxas. Talvez não fosse exatamente moça na exceção da palavra e sim uma bela mulher na faixa dos 31 ou 32 anos. E ela seguia à frente deixando atrás de si a suavidade dum perfume adocicado, desfilando sua elegância no conjunto de saia e blazer em tons de cinza combinando com a blusa branca em voil e um lenço vermelho de seda que, contornando o pescoço sacramentava nela o enigmatismo das musas do cinema dos anos 50. Eu persistia observando o seu caminhar de glúteo acima, glúteo abaixo sem poder negar-lhe o estilo e a elegância das roupas de boa marca, equilibrando suas poderosas pernas em delicados sapatos de salto agulha.

Continuei seguindo a magia daquelas nádegas quando dobrando à direita atravessamos outro extenso corredor e no final dele ganhamos um luxuoso escritório de áreas parcialmente envidraçadas. E ao entrar na sala, sentado numa confortável poltrona estava um sujeito com um sorriso de Gugu Liberato. Eu seguia em sua direção observando com os cantos dos olhos o mobiliário local de arranjo quase futurístico, principalmente sua mesa de trabalho em aço escovado onde o tampo de Blindex deixava visível as pernas da calça do seu terno azul marinho. Como sempre eu fora afeito a comparar coisas e pessoas, instantaneamente os detalhes da sala me fizeram recordar o escritório de George, do seriado "Os Jetsons" personagem dum antigo desenho animado da década de 60 onde o futuro dizia estarmos no ano de 2062 ou coisa parecida.

Evidente, ainda moleque à época imaginava se o futuro seria exatamente aquele apresentado pelos criadores da série e se haveria tanto progresso que nos fizesse voar naquelas pequenas naves espaciais que lhes eram o meio de transporte. Anonimamente sorri dessas recordações ao olhar para a enorme vidraça que, às costas do executivo completava aquele lado da parede. Impressionado com amplitude da visão e os prédios mais baixos que nos cercavam procurei vestígios de naves espaciais estacionadas do lado de fora, e outra vez sorri das minhas fantasias de garoto. Sim, fato, e novamente sorri anônimo, agora para uma fase púbere onde imaginei Sandra Brea sendo a minha namorada, pois me marcou a sensualidade de sua participação na novela "O bem Amado"

-Senhor Norman... - Outra vez fui acordado por uma voz que não era da secretária.

Retornei o olhar para o interior da sala e concentrei-me no homem que pronunciava o meu nome e prestei atenção na parede ao lado da vidraça, e ela ostentava um quadro com um diploma da FGV, trazendo logo abaixo uma placa retangular contendo letras negras e em alto relevo. Firmei as vistas e li com clareza:

Jefferson Augusto Maneiro
Vice diretor executivo
Ficci Buk & Corporation

Agora eu sabia com quem falava, porém, para ser sincero nem supunha por que fora sondado para aquela reunião, afinal, mesmo sendo usuário eu era de fato num dos mais ferrenhos críticos do Ficci Buk e seus métodos alienantes. A princípio Gugu me estendeu a mão e eu retribuí a um mesmo tempo que nos apresentávamos. Foi estranho sentir seus dedos apertando os meus, chacoalhando-os no ar como se fossem eles uma dessas britadeiras que perfuram asfaltos. E aquilo me parecia ridículo e nossas mãos continuavam tremulando até o instante que, percebendo o descabimento soltou-se dos meus dedos.

A secretaria bonitona ainda continuava às minhas costas quando o sujeito num aceno de mão me pediu que sentasse numa das poltronas defronte à sua mesa. Entrei pelo vão de uma delas e escolhi a da esquerda por natural aversão a tudo que era de direita. Acomodado, olhava para aquele seu sorriso de animador de auditório quando gentilmente pergunta:

-Bebe alguma coisa, Sr. Norman? - Acomodava-me ainda mais à poltrona e encaixando a bunda no assento, respondo:

-Sim, uma dose de uísque, por favor! – Pigarreio levemente puxando a bainha do paletó para que não entrasse Nas nádegas. Ele me olhou surpreso.

-Desculpe Sr. Norman, mas não temos bebidas alcoólicas aqui. Mas há águas e sucos naturais. Aceita um de caju, manga... – Oferece solicito.

-Não, obrigado! Teriam água mineral com gás? – Ele me olha sem surpresa e consente num meneio de cabeça. Por instantes penso sobre a isenção de bebidas alcoólicas nos escritórios, e se não seria a falta delas a responsável por boa parte das idéias tacanhas e sem criatividade dos executivos – Concentro-me pouco mais na questão, e naquele caso eu tinha a certeza que sim.

-Dona Mariana, água com gás para o senhor Norman e suco de caju para mim. Traga a senhora mesmo, pois me pareceu muito atabalhoada essa nova copeira.

-Sim senhor! - Ela responde, e se preparava para a retirada quando o sujeito lembrando-se de algo esquecido exclama se dando um leve tapa na testa

-Ah sim, por favor, nada mais que doze gotas de adoçante, certo? – Ele instrui num tom afetado, afeminado, ao qual a secretaria acusa num discreto sorriso.

Outra vez olho para ele e dessa vez com certa desconfiança. Imediatamente penso em sua afetação e conjecturo se o afrescalhamento não era causado por uma austera educação na infância, a estreita convivência com irmãs, ou demasiadamente com as pessoas do sexo oposto. Talvez não fossem esses os motivos e nem houvera irmãs e amigas, e sim apenas uma juventude enclausurada e distantes dos divertimentos, desses onde a falta de permissão se sacramentam nos decretos matriarcais ao suporem o mundo como um Lobo Mau abocanhando suas incautas e inocentes crias. Evidente, por mais que não quisesse assim tive que concluir por ter conhecido alguns casos onde o idêntico o dano foi provocado pelo exagero dos mimos caseiros, pais tratando seus fedelhos por “filhinho” mesmo que esses sujeitos já estivessem com barbas nos rostos e consultórios médicos para sustentarem. Entretanto, mesmo que se aplicasse a Jefferson nada eu tinha a ver com esse passado que, só me servia apenas para divagações. Tão logo a secretária saiu à cata das bebidas ele voltou a sorrir como um dos animadores dos programas de domingo. Ainda incomodado pelo olhar exaustivamente cravado em mim retribui com discreto sorriso enquanto ele ajeitava o nó da gravata desvendando os motivos que fizeram eu estar presente naquela sala:

-Bem, Sr. Norman chegou ao nosso conhecimento que é um dos usuários mais descontentes com o Ficci Buk. E ter cliente insatisfeito é fato que não só entristece, mas nos preocupa. Primeiro, é inquietante não estarmos atingindo o topo das nossas expectativas, já que rotineiramente o senhor escreve crônicas e pequenos contos dando conta do quanto estúpidos somos. Segundo, porque gostaríamos de saber o que pensa exatamente e naquilo que poderia oferecer de colaboração para progredirmos, melhorarmos... e...

Estrategicamente ele fez a pausa quando fomos interrompidos pela secretária carregando a bandeja inox repleta de bebidas Assim que a moça colocou a peça sobre o tampo de vidro olhei no interior e lá estava o suco de caju e a garrafa de 500ml de água, além de dois copos de cristais e um par de guardanapos dum tecido alvo e encorpado. Com gestos delicados Mariana despejou parte da água em meu copo e depois serviu o chefe.

Retirei o copo e um dos lenços da bandeja e fiz careta ao sorver um profundo gole que fez arder a garganta. Jefferson Augusto sorriu da minha feição e com alguma sutileza deu o trago inicial no suco. Eu apenas o olhava e continuava bebendo a água em pequenos goles a fim de evitar novas contrações faciais quando, suavemente recolocou seu copo sobre o tampo no instante que a secretária batia em retirada a caminho da recepção. Agora foi a sua vez de pigarrear, e ele retomou o assunto interrompido:

-Sr. Norman, sejamos sinceros, não vê nada de bom em nosso Ficci Buk? – Olhei para ele com algum desinteresse e pensei no quanto aquela conversa poderia se tornar desgastante. Pigarreei arranhando a garganta numa tonalidade exagerada, digamos, até desagradável, e desembuchei:

-É, pois então, assim como estava falando Sr. Clerderson, acho que o Ficci Bu... – Mal iniciava a fala quando fui interrompido por ele. Definitivamente aquele era um sujeito insensível com as frases do próximo, porém dono de oratória obstinada:

-Não é Clederson, é Jefferson - Ele me corrige e depois continua - Sabe Norman, desculpe-me tê-lo interrompido, talvez ao ser leigo no assunto não perceba a dinâmica e a diversificação, o fátuo dos interesses que envolvem tanto a corporação como os seus usuários. É mais que certo que não tenha se derramado às questões e por consequência não sabe o que e como pensamos. Porém tenha a certeza que o Ficci Buk não é apenas um mero site de relações e entretenimentos assim como a grande maioria que existe por aí – Foi nesta parte do discurso que aspirou profundamente e continuou:

-Definitivamente Sr. Norman, não é assim que o tomamos, pois temos o Ficci Buk como o fator mais importante para a aglutinação dos internautas do mundo todo. Portanto já sendo o número um pretendemos nos tornar algo mais, um novo estilo de vida assim como foi o sonho americano, nos queremos interminável, algo que se assemelhe à revolução cultural dos nos 60, principalmente a mais fulgurante delas, a de Liverpool promovida pelos quatro Beatles - Ele disse num tom entusiasmado e eu sorri discretamente. Talvez o danado do Jefferson pretendesse ser a reencarnação tupiniquim de Brian Epstein, o lendário empresário dos quatro cabeludos. Mas pelo jeito ele não intencionava parar por ali, ah não... então continuou:

-E o por que queremos revolucionar é o que deve estar se questionando, não é mesmo Sr. Norman? - Ele insistia nos argumentos e olhava para mim crente que causava grande impacto. Depois se assentou num tom de veemência sindical: Ora bola, muito, demasiadamente simples! Porque tanto quanto hoje naquele momento o que o jovem repudiou foi o arcaísmo e a prosaica forma de viver e pensar o planeta azul... - Foi justamente nesse outro ponto que Jefferson promoveu outro intervalo. Era estranho, mas agora algo em sua voz soava à Cássia Eller:

- Veja Sr. Norman, a contemporaneidade muito deve aos Beatles, pois suas influências são inegáveis e o processo iniciado nas terras da rainha ensejou mudanças, o mundo mudou de mãos, cedeu o poder, deu voz ao novo e articulou a juventude planetária em torno de seus ritmos e idéias... - Com Jefferson era sempre assim, dava suas pausas, porém jamais esquecia entusiasmo dos seus comícios. Eu olhava para ele e desta feita ele me pareceu impaciente ao perguntar:

-Sr. Norman assistiu a um filme dos Beatles chamado “Os reis do iê, iê, iê”?

-Não, não assisti - Devolvi de forma lacônica. Óbvio, eu tinha visto o filme, mas supondo que ele usaria os argumentos da fita com o intuito de me evangelizar, neguei.

Na verdade eu assistira o filme na televisão, e não somente esse, mas outros dos Beatles que, em minha opinião eram bem piores do que comentávamos. Certamente Jefferson jamais entenderia o fato de achar o tal do "Os Reis do iê, iê, iê" um filme pra lá de imbecil e que apenas se propunha a registrar hordas de garotas alucinadas, gritando e perseguindo os pobres diabos sem dar-lhes o tempo sequer de uma boa mijada. Mas, a impressão que tive era de que os produtores pretenderam demonstrar os excessos histéricos e o quanto eles nos tornam irracionais. E o festival de psicopatias não terminava ali, e então vinham outras cenas com as garotas ululando tal hiena, arrancando cabelos, perdendo saltos e sapatos em ruas e vielas, deixando partes de saias e vestidos em grades de ferros, só para terem a oportunidade de triscarem suas unhas vermelhas nos terninhos bem comportados dos rapazes, ou ao menos, nos vidros Ray-Ban das limusines que os transportavam... Portanto ciente que Jefferson não veria com os meus olhos, achei melhor omitir.

-Pois é Sr. Norman! - Ele prosseguiu - É pena, pois perdeu uma obra de arte e o quanto eles influenciaram gerações, já que suas canções impressionavam pelo novo estilo musical, a verve em suas composições, algumas até de pura poesia, enquanto outras, num plano contestador inquiriam o conservadorismo dos costumes e valores daquele momento. Talvez não tenha percebido à época, mas era como se dissessem a nova e casta juventude; Hey! Vocês são os novos reis do mundo! Saiam por aí, pois o planeta é todo vosso! - Está certo, poderão alegar que nem tudo foi perfeito, pois havia o muro de Berlim, Mao Tse-Tung na China, e a Rússia, através de Cuba, apontando seus mísseis para o coração dos Estados Unidos, mas...

Foi nesse instante que se deu outro habitual intervalo em sua conversa, demorado dessa vez, reflexivo até.
Eu continuava olhando para ele e os olhos de Jefferson pareciam perdidos no nada - Jesus Cristo! O homem além de ser um fanático pela biografia dos Beatles, talvez estivesse louco, ou no melhor das hipóteses ainda mantido sob o efeito das ervas ingeridas nos seus tempos de FGV - Tive que concluir.
Eu continuava olhando para ele e Jefferson permanecia calado, distante como um desses roteiristas que não lembram o próprio enredo. Porém eu estava enganado, e ele ressurgiu como um desses pregadores que solapam o mundo, esses que jamais desistem de abocanhar fatias que não são deles. Ele era um bravo e seguia adiante:

-Sim, Sr. Norman! Eu sei o que deve estar se passando nessa sua mente de escassa informação - Disse para mim ajeitando seu corpo à poltrona, olhando-me com imponência, assim como se fosse o mago das premonições - Provavelmente, Jefferson sofria de prepotência e ansiedade - Pensei - O que eu gostaria era dar um safanão naquele sujeito, absorvê-lo das nuvens. Porém eu estaria fadado ao fracasso, pois Jefferson era um demente, apesar de que os dementes também não desistem.

-Então é isso! Fique atento, é tão fácil perceber Sr. Norman! O que pretendemos é causar a verdadeira revolução dos hábitos e costumes do século 21. Entende a plenitude das nossas intenções? Pode perceber a abrangência cultural que estamos nos propondo? - Ele persistia nos olhos arregalados e gestos bruscos no irrequieto conjunto dos braços e mãos.

Apreensivo e receoso que Jefferson pudesse ser acometido de algum infarto, olhei para ele e para aquela situação de gesticulação estapafúrdia, mas natural, e cheguei à conclusão que se ele fosse lançado ao mar e conversasse consigo mesmo nadaria tão lépido que alcançaria o Porto Galinhas antes do horário de almoço do dia seguinte. Entretanto, mesmo que pesando a pujança da retórica, suas colocações me pareciam confusas e incompreensíveis. Sim! Jefferson provavelmente fora lobotomizado, e agora pretendia desforrar, e aquilo me irritava profundamente. Claro, deveria ter me calado, ficado quieto, porém quando dei por mim as palavras já não pertenciam à minha boca:

- Bla bla bla! Que diabo você está falando, Jackson? Quanta perda de tempo com esses fatos nostálgicos, inclusive porque nem os vivenciou! – Ruminei - Só está te faltando me dar a ciência com voz de Heron Domingues do assassinato de John Kennedy ou das mirabolantes jogadas do melhor time que o Harlem Globe-Trotters montou, e isso no Ginásio Ibirapuera em fins de 65.

Verdade! Aquele sujeito era mala e me dava nos nervos. E sei lá, mas os fatos dum passado morto e enterrado me eram o chute dum sapato 48 nas bolas do saco. Absurdos também eram seus bordões cheios das nove horas e uma linguagem executiva lastreada em argumentos que, funcionariam espetacularmente com os caras da sua tribo, porém, não comigo. Para ser bem realista, ele nem percebeu o quanto a minha resposta trazia de inconformismo, mas não se esquivou à minha nova confusão com o seu nome.

-Jackson, não. Espere aí! Jackson, não!... Jefferson Augusto, já lhe disse tantas vezes Sr. Norman, tantas vezes! – Respondeu com a feição fechada. Depois chacoalhou os dedos da mão direita no ar como num passar de mãos nas nádegas do vento, incentivando minhas observações. Foi o suficiente para entender o seu recado, e fui franco e honesto:

- Muito bem meu jovem! Já que te parece tão relevante a minha opinião, então aqui vai; Acho o Ficci Buk o maior incentivador e veiculador das boçalidades que boa parte dos homos-sapiens são capazes de produzir.
Sim, entendo que há e haverá exceções, pois também há vida inteligente, apesar de muitas delas se renderem à futilidade, mas também há sujeitos de fantástica criatividade, e tenha a mais absoluta certeza; estes jamais darão a face aos bofetes e nem farão marcha atlética à beira de precipícios.
Entretanto a vida inteligente não é regra, é exceção, pois ao criarem esse monstrengo foi como se abertas fossem as porteiras do absurdo para uma carente manada humana, ávida por espaços e meios onde possa sobressair e transbordar inteligências, além, óbvio, os dotes artísticos...

Como assim? Não estou entendendo onde quer chegar - Ele me interrompe. Olho para ele friamente e reinicio:

-Calma rapaz, já saberá, já que no frigir dos ovos a tua empresa deu luz a um descomedido teatro de horrores, e somos nós os seus melhores atores, e trabalhamos para vocês gratuitamente e fazemos do fantástico Ficci Buk algo onde se vive alguma verdade, mas há uma imensa parte de desajustados e enganadores, e o que vejo sim são poucas e boas ideias, mas o que vinga são as boçalidades, e o todo se une e digladia entre si. Para mim o espaço que dão a cada um de nós, usuários, é a possibilidade de escrevermos um livro que qualquer editor jamais publicaria, e então temos que escrever, escrever, pois não nos reconhecem, e aí nos vingamos, e não importa se sujemos as linhas com nossas merdas ou as deixemos incólumes ou perfumadas duma fragrância francesa...

-Ah, então o senhor é contrário à criatividade individual? - Novamente ele interrompe abortando meus pensamentos. Minha irritação se torna previsível.

-Hã? criatividade individual? - Devolvo. Provavelmente meus olhos devem tê-lo fulminado. Então continuo: Criatividade individual é o cacete! E vocês nada mais são que a parte diabólica de tudo isto,! Então esmeram no layout e nas novidades tecnológicas, e nos hipnotizam e nos dão espaço para colocarmos fotos, nossas e de nossos parentes, carros, gatos, cachorros, carros, fotos de nossos filhos isentos dos dentes de leite belezas, e todas outras que a criatividade individual consegue imaginar! Sim, talvez até haja alguma validade em preenchermo nossa ociosidade com sentimentalismos e singelezas, porém não paramos aí, e extrapolamos e preenchemos novos vãos com imagens estapafúrdias e tantas outras aberrações, e ainda insatisfeitos forramos nossas linhas do tempo com babaquices, as quais muitos julgam o top da criatividade, como dissessem para quem os leria: Hey, veja como impressiono! Puderam alcançar a jogada? Conseguiram captar a genialidade do meu sarcasmo, e como posso ser mais descolado que vocês?
Sim meu ami....

-Mas, mas - Novamente ele aborta as minhas falas. - Foi demais para mim.

-Mas, mas...é o cacete! - Ele se assustou com minha reação e se calou. Continuei: E para mim são essas as fatias maiores deste bolo chamado Ficci Buk, e vocês estão furtando a vida das pessoas, já que navegam pelo teu site por horas a fio, sem almoço, janta ou mesmo um tempo para o namoro ou uma boa trepada. Uns até deixam de trabalhar e outros até perdem o emprego, e é isso que lhes devemos, pois ao criarem esse troglodita infame devem ter pensado em nossas carências e nas porções do ego que também nos compõem. Entretanto meu jovem, vacina de graça só é dada em posto de saúde, portanto o Ficci Buk foi criado com a finalidade de ser um negócio rentável, hoje aliás, mega milhardário. Portanto moço...não me venha com essa história de que para vocês o que importa é a interação. pois é mentira deslavada, é balela da grossa, é poesia de anjo que faz o demônio gargalhar.

-Como assim Sr. Norman? Outra vez não estou compreendendo onde o senhor está pretendendo chegar. Não nos consideramos um.. negócio - Ele justificou-se, mas não com tanta firmeza. Evidente, o Ficci Buk tinha as suas espertezas, e aquele era o momento de espetá-lo

-Como assim.. eu vou dizer. Ao iniciarem o site vocês bancavam gratuitamente a totalidade das publicações dos usuários nas páginas dos amigos. E agora? Agora simplesmente não bancam mais, já que os meios de comunicação dão conta que estão restringindo o acesso às informações, propondo valores para aqueles que, não vivendo longe dos holofotes queiram ter suas patacoadas lidas por maior número de pessoas. E se assim o fazem é na suposição que este planeta caótico e absurdo está cheio de otários e a carência da raça humana é tanta que não prescinde da atenção, nem que seja necessário pagar por ela. Enfim, vocês são uns belos aproveitadores...

Neste momento a pausa foi minha, pois realmente não tinha a intenção de continuar aquela conversa inócua. Claro, talvez eu tivesse sido ranzinza e inflamado como são esses sujeitos que discutem o time do peito nos botecos das esquinas - Paciência - Porém, Jefferson não desgrudava os olhos de mim numa expressão aturdida, talvez estivesse arrependido de propor a entrevista, e a qual pensei que pudesse declinar algum convite de emprego. Sim, e por que não? Talvez a análise detalhada do meu perfil ensejasse o envio do e-mail onde dizia que, em aceitando, deveria agendar dia e horário para a reunião. Ali, ainda constava o nome e o telefone da pessoa que deveria ser procurada. E foi o que fiz, e falei com dona Mariana, apesar de não me fornecer qualquer informação sobre os motivos do convite.

E assim ficamos lá olhando um para o outro sem saber a razão de comparar aquele sujeito dos seus trinta e tantos anos ao Fernando Collor de Melo, além das mencionadas semelhanças com Liberato e Cássia Eller. Talvez tenha sido a sua compleição atlética adquirida em academias, ou o mesmo penteado de cabelos repartidos ao meio. Sim, talvez tenham sido aqueles os fatores. E com Jefferson me levando a Collor foi impossível não relembrar a delirante atuação do ex-presidente “daquilo roxo” e de quanto o brasileiro sofreu humilhações provocadas por ele e seus asseclas. Evidente, se há palhaços no Poder Central, no Senado, nas Câmaras, e por aí afora, por que não estender a estupidez para um plano mais globalizado? Então deixe vir esses sites de relacionamentos como o H5, Badoo, Orkut, Ficci Buk, certamente os dois últimos os gigantes do ramo. É óbvio, o Orkut está em baixa, pois talvez tenha estagnado no tempo, algo comparável a hoje como se Hitler e seu bigodinho mofado estivessem zanzando pelas dependências do McDonald á procura de alguma McOferta.

Já o Ficci Buk não, o Ficci é moderno, jovem, interface gráfica avançada e, de tal forma que, resguardadas as devidas proporções mais lembram os efeitos especiais de George Lucas para os filmes de Steven Spielberg. Sim, não discordarei dos fatos, porém o Ficci não desmotiva e jamais desmotivará a idiotia que pode haver nas pessoas, pois opostamente ela incita e muitos de nós adoramos parecer imbecis, se agarrando uns aos outros como as criaturas siamesas.

E deixando o Ficci de lado e retornando às vacas gordas da política nacional, creio que a grande massa se cansou de parecer “politicamente correta” num tempo que ser “politicamente correto” traduzia algo aceitável e compreensível. E não me venham falar em partidos conservadores, progressistas ou radicais. Muito menos em agremiações de direita, esquerda, centro, pois ao que me lembro jamais vivi de moderações, e fui um esquerdista ferrenho num tempo onde a jingle “Olê olê olê ola, Lula, Lula” e aquilo me emocionava e arrepiava os pelos do meu saco. Sim, na primeira eleição o barbudo perdeu para Collor e as vergonhosas montagens da emissora do Marinho. E eram verdadeiras as aspirações do povo e os anseios por ética e decência na política, tanto que não nos perdemos numa nova oportunidade e elegemos o “companheiro”. E naquele momento o país havia sido entregue para um homem do povo, operário, um líder carismático e aglutinador das massas, ele sim talvez o prometido Messias, o cirurgião a extrair os nódulos malignos da nação, impondo ética, ceifando a canalhice e a corrupção. Sim, foi isso, pois estávamos cansados dos erros, das roubalheiras e dos falsos milagres brasileiros como aquele fabricado à década de 70 por Delfim Neto sob o mando dos generais da ditadura que, praticamente levaram o país ao estado de insolvência. Entretanto e mesmo com o que parecia novo e esperançoso não extirpamos os problemas, ao contrário, logo, o governo da estrela solitária se assemelhou a todos os outros apesar dos favoráveis números populares à aceitação do alto mandatário. Portanto hoje não tenho qualquer ilusão política, nem por nomes, nem partidos, e acredito que possa haver exceção aqui ou acolá, todavia o todo é asqueroso, o meio é canceroso. E agora não me bastassem todas as mentiras ainda vêm esses sites de entretenimentos, alienadores e que mais se assemelham ao um espetáculo de circo montado para uma tarde de domingo, e excretam óticas anarquistas sobre aquilo que imaginam o que é e como é relacionar-se, entreter-se, divertir-se, enfim...

-Psiuuuu, psiuuuu! Sr. Norman, em que galáxia o senhor está? – Ele estala os dedos - Há mais de dois minutos o senhor está aí sem falar nada e apenas fitando o lado externo das vidraças– Concluiu num olhar que parecia dizer; Hey velhinho... venha para o pátio tomar o recomendável sol das dezessete horas! - Eu olhei pra ele e sorri, pois provavelmente também deveria me achar um boçal.

-Oh, queira me desculpar, Anderson! Perdi-me em algum lugar do passado - Justifiquei-me num sorriso que tentava ser infantil, mas que o sabia cretino.

-Anderson não, é... Jefferson, por favor, Sr. Norman, é simplesmente... Jefferson - Mais uma vez me chamou a atenção, irritado, óbvio. Depois amansou a raiva e continuou: Mas... em que pese essa sua visão severa quanto a nós, eventualmente não encontra em nosso site matérias que lhe despertam interesse? Não tem por hábito usar o “curtir” para coisas postadas por seus amigos, em suas comunidades. Por acaso o senhor "curtiu" algo no dia de ontem, por exemplo?

-Não, nenhum! –

-Bem... e na última semana?

-Também não. Quase, mas também não!

-Pelo amor de Deus, Sr. Norman, e no último mês?

-Never! Ai nóti moli nóti! Contudo a fase pior foi a do mês retrasado.

-O que houve no mês retrasado, Sr. Norman? - Ele perguntou num ar de surpresa.

-Bom... É que fui obrigado a ler um monte de mensagens de Natal, algumas delas acompanhadas de fotos de Papai Noel. Deve saber como são essas imagens fabricadas em estúdios que usam o Photoshop. Havia sim uma ou outra interessante tal qual a do sujeito que com as rédeas nas mãos se postava dentro do trenó guiando quatro grotescas renas de isopor. Evidente, apesar do ridículo havia algo de positivo na barba do sujeito, já que parecia ser natural...

-E o senhor acha desestimulante receber votos de feliz Natal ou Ano Novo através do Ficci Buk? – Ele interrompeu outra vez, drasticamente. Eu percebia a raiva em sua voz.

-Bem, Wellington, pra te falar a verdade... acho sim! Mandaram aos montes, assim, como se fossemos um bando de alienados, como se a felicidade e as realizações estivessem batendo á nossa porta, e que seria apenas necessário pedirmos para que entrassem e as servíssemos com um bom café passado na hora, para aí sim concretizarmos o negócio! – Retorqui impaciente – E outra... antes que o senhor me inquira sobre o que “curti” nas semestralidades passadas, antecipo; No último ano, cinco vezes. Apenas vinte vezes devo ter clicado no maldito “curtir” inclusive mais da metade desses cliques foram em coisas postadas por meus sobrinhos.

-Poxa Sr. Norman! Além de o senhor ser... como dizem? Ah, sim, um osso duro de roer, o senhor insiste em chamar-me por um nome que não é meu; Não é Wellington, é... Jeffer... Ah, deixa pra lá!

-Desculpe Jonathan, ops, quer dizer, Jefferson – Dessa vez eu o sacaneei só para vê-lo irado. E irritado ele foi grosso e mal educado

-Sabe Sr. Norman... Por acaso o senhor tem feito periodicamente exames em sua próstata? – Fulminou à queima roupa com aqueles seus braços de nadador.

-Não, por quê? Seriam importantes estes exames? - Inquiri surpreso. Ele apenas me olhou e riu.

Percebi o tom de galhofa na pergunta, e honestamente, aquilo me deixou emputecido. Ainda mais porque houve falta de respeito para minha pessoa. E aquilo me abalou e tanto que, após alguns instantes eu procurava traduzir as entrelinhas da questão colocada. Seria alguma metáfora?
Sim, sendo ou não, não consegui ir muito longe à análise, porém duas alternativas me pareceram inevitáveis;
a) acho que o fedelho engomadinho acreditasse que me tornasse mais receptivo à estupidez após uma boa enfiada de dedão no rabo, ou;
b) que meu estado prostático tinha alguma coisa a ver com o senso de humor

Ele olhava para mim e eu podia sentir o regozijo estampado nos olhos e nos cantos sorridentes de sua boca de lábios finos. Evidente, ele se tornou para mim a zombaria e agora eu podia ver-lhe a fileira de dentes alvos escancarando numa gargalhada cheia de viadagens, diga-se de passagem.

-Me perdoe Sr. Norman, foi apenas uma brincadeira com o senhor, um ato de relaxamento de espírito – Concluiu sem perder o sorriso cretino no rosto. Definitivamente ele tinha procurado, e como dizem; Quem procura... acha.

-Puta que pariu seo moleque afrescalhado e sem educação. Se há alguém aqui que tem cara de gostar dum grosso dedo urológico és tu e não eu! – Vociferei ao me levantar da poltrona.

De imediato ele pegou o interfone e ligou para a secretária:

-Dona Mariana, por favor, peça para a segurança vir à minha sala!

-Ops! Não precisa de segurança não paspalho! Sei o caminho da saída – Disse-lhe ao me dirigir para a porta de sua sala.

-Cancele a segurança, dona Mariana. O Sr. Norman já está de saída.

Novamente atravessei o corredor e ao final dele encontrei a recepção. A secretária me aguardava, e parecia preocupada.

-Desculpe Sr. Norman. Sei o que deve ter passado lá dentro com aquele sujeito petulante. Mas... ele é assim mesmo, é metido à gênio.

-Não... não se preocupe com isso dona Mariana. Está tudo bem! – Disse a ela já me dirigindo para a porta de saída do conjunto.

-Sr. Norman, Sr. Norman! - Fui chamado por ela. A voz era bonita, afinal, ela era toda bonita.

-Sim dona Mariana? – Respondi olhando para os seus olhos. Repentinamente eles me pareceram tímidos assim com ela.

-Então, depois que o pessoal da análise de clientes selecionou o seu perfil e nos passou, tomei conhecimento do senhor e daquilo que escreve. E vou ser sincera; Estou fascinada! Escrevo alguma coisa, poesias, porém não tenho coragem de postá-las. Criei um blog, mas lá só há citações de Fernando Pessoa e Clarice Lispector. O senhor se importaria se marcássemos algum dia para tomarmos alguma coisa e discutirmos um pouco de literatura e desse seu mundo literário? – Perguntou-me num sorriso apaixonante. Olhei para ela com simpatia, Mariana poderia ser minha filha, mas o fato dizia que não era.

-Claro! Vamos sair um dia desses e falaremos sobre – Devolvi solícito. Foi o momento que ela retirou algo do porta-cartão acima de sua mesa e me passou. Era seu telefone residencial e o número do celular.

-Feito, dona Mariana! Ah, posso dispensar o “dona”? – Perguntei num galanteio. Sim, eu era velho, 59 pra ser exato, mas não imprestável.

-Claro, Norman! Fique à vontade. Como vê, já aboli o “senhor” por minha conta –
Respondeu com um sorriso que continuou me fascinando. Concretamente, Mariana era um doce, uma joia.

Despedimos-nos com um “Até” num caloroso aperto de mãos. Estava mais que na cara que algo iria rolar.
Ao descer pelo elevador pensando em Jefferson deixei escapar o pensamento em sussurradas palavras.

-Não falei que no Ficci Buk só da louco? – Expressei.

Claro, era a minha reação ao pouco entender o interesse daquela mulher por um sujeito tão limitado como eu. O ascensorista de talvez 27 ou 28 anos ao ouvir o meu murmúrio olhou-me desconfiado, pois deve ter pensado que estava interagindo com ele ou com um dos faxineiros do edifício que limpava o espelho ao fim da cabine, afinal, havíamos os três em seu interior

-É sim sinhô - Me respondeu o faxineiro diante o silêncio do colega que comandava os botões. Sorri para ele e o funcionário continuou: -Óia...outro dia mesmo o ofsbói da constutrora do séutimo andar me falou que esse tal de feicibuqui é o fiofó do capeta! – Concluiu à queima roupa aquele sujeito de uma simplicidade cativante e num sotaque norte do país. O ascensorista riu veladamente, talvez para ele não fosse novidade do seu colega de trabalho.

Chegamos ao andar térreo somente os três e meu estômago doía em virtude das contrações provocadas pelo surto de gargalhadas que enfrentei por quase quatro andares enquanto descíamos.

-É isso aí garoto! – Confirmei ao me despedir do faxineiro com tapinhas nas costas. Ao que prontamente respondeu:

-É isso aí gêntis boa! Estamos às órdis! O criente tá sempre ca razão! - Ele também se despediu com um sorriso e a demonstração inequívoca de já assimilar parte dos hábitos e maneirismos dos paulistanos.

Eu ainda sorria ao entrar em meu carro.

Copirraiti20Fev2013
Véio China©

terça-feira, 18 de agosto de 2020

androfagia de amor

androfagia de amor

isento do egoísmo
morder-se-ia o louco
no antebraço das impossibilidades
o rasgo sangrento
naco de carne
doce exorcismo
de amor violento

sacharuk

sábado, 1 de agosto de 2020

A sombra que nos espicha - www.inspiraturas.org - inspiraturasbooks

A sombra que nos espicha - www.inspiraturas.org - inspiraturasbooks

''a sombra que nos espicha'', além de uma obra impecável, é mais uma prova da versatilidade e competência poética de Sacharuk. É generosidade, quando alinha e aninha suas letras às nossas de forma sintônica e rítmica sem, contudo, desprezar a sua essência. Sua genialidade brinda-nos invariavelmente com o imprevisto posto que nos coloca diante daquilo que não esperamos e nos leva, tanto enquanto autores quanto enquanto leitores, num degrau acima dos demais. Esbanja a capacidade de transitar entre luzes e sombras, lavandas e cicutas, com a mesma desenvoltura. Instiga, provoca e inspira; e nos retira da zona de conforto, nos levando a sentir além do que está sendo escrito. Uma habilidade nata, latente em suas propostas e composições em parceria que geralmente surgem num estalo, isentas de masturbação mental, onde nos ensina, assim, com a facilidade de quem respira. 

Sacharuk é Poeta. E Poeta que incute em nós uma vontade crescente de o ser também. (Lena Ferreira)


 Baixe aqui em formato pdf

Versos sujos

Versos sujos

Quero ser a letra U
do alfabeto erótico
sentir o acento agudo
cravado sem corte

ter a língua enfiada
enquanto os dedos
em ações coordenadas
são arremessados lentos

advérbios de intensidade
socados até o fundo
explodem rimas pobres
recebo do G o sumo

aguentar o porte
e, em galope,
de P ter o rumo

e, assim, em urros
interjeições absurdas
sem noção de tempo
aceitar locuções cruas
gozar versos sujos
saídos de dentro
numa poesia impura.

Dhênova

https://www.facebook.com/dhenovapoeta/