A poesia delira ao diapasão e, logo, intenta aos acordes da lira. Poesia que tanto descreve saliva de beijo, bem como a imagem do pensador com o queixo poisado nos dedos. Poesia pode andar no eixo para não ouvir queixa, mas pode andar fora e criar desavenças. Há poesia das crenças, poesia do lixo, poesia pretensa, poesia das gentes, poesia dos bichos. Ela é o amálgama do mundo, verte por tudo. É ofício dos nobres, sedução dos espertos, marofa dos pobres e sina dos vagabundos. Também vive escondida na língua dos analfabetos. Poesia é isso tudo e mais outro tanto, no entanto, poesia não é absurdo. Absurdo é querer-se mudo; absurdo é querer-se surdo; absurdo é querer-se cego. (Tudo e mais outro tanto - sacharuk)

OFICINA DE ESCRITA LITERÁRIA INSPIRATURAS - on line e presencial - novos desafios - inscreve-te! Integra conceitos, técnicas e inspiração em desafios lúdicos e escreve poesia, crônicas e contos

quarta-feira, 17 de junho de 2020

Para quem escreve o poeta? www.inspiraturas.org

Para quem escreve o poeta?

O leitor do poema não entendeu.

A culpa é:

a) da inabilidade do leitor?
b) do fracasso da educação?
c) da inabilidade do poeta?


Leitores de poesia não são e sequer precisam ser críticos literários.
Eles apenas podem se limitar a sentir o poema segundo critérios subjetivos.

o valor maior de um poema
reside na estética
ou naquilo que comunica?

O processo criativo de um poema se dá a partir da percepção.
A leitura eficaz de um poema também.

O poeta expressa emoções e ideias e o leitor de poesia as recolhe e partir de um mundo equidistante e diferente.
Logo, cada poema remete a um significado único, tanto a quem escreve quanto a quem lê.

E atua poesia? Quais respostas desencadeia?

( ) a viagem a um mundo paralelo
( ) o senso de prazer e/ou beleza
( ) a novidade, a singularidade
( ) a expressão da realidade interior do poeta
( ) a exploração de uma linguagem diferente
( ) outro....qual mesmo?


Nenhum comentário:

Postar um comentário