A poesia delira ao diapasão e, logo, intenta aos acordes da lira. Poesia que tanto descreve saliva de beijo, bem como a imagem do pensador com o queixo poisado nos dedos. Poesia pode andar no eixo para não ouvir queixa, mas pode andar fora e criar desavenças. Há poesia das crenças, poesia do lixo, poesia pretensa, poesia das gentes, poesia dos bichos. Ela é o amálgama do mundo, verte por tudo. É ofício dos nobres, sedução dos espertos, marofa dos pobres e sina dos vagabundos. Também vive escondida na língua dos analfabetos. Poesia é isso tudo e mais outro tanto, no entanto, poesia não é absurdo. Absurdo é querer-se mudo; absurdo é querer-se surdo; absurdo é querer-se cego. (Tudo e mais outro tanto - sacharuk)

OFICINA DE ESCRITA LITERÁRIA INSPIRATURAS - on line e presencial - novos desafios - inscreve-te! Integra conceitos, técnicas e inspiração em desafios lúdicos e escreve poesia, crônicas e contos

segunda-feira, 27 de julho de 2020

clichê-originalidade-desconstrução - www.inspiraturas.org


A natureza viva sempre foi pretexto de poesia. O pulo do gato na poesia da natureza é estabelecer analogias, metáforas e outras figuras que consigam abordar o que é comum de uma forma original. O desafio é escrever um poema, ou prosa-poética, ambientado no jardim da natureza. Há muito a ser explorado, desde as flores até as figuras do jardineiro e dos agentes polinizadores. Fala com beleza e originalidade e o poema "sobre o comum" não será um poema comum. 



Abaixo, alguns exemplos de autores pelotenses.

Boas inspirações.



O ENCONTRO DA ORQUÍDEA COM O GIRASSOL
NO JARDIM ENCANTADO - O belo – primeiro caminho

O cravo brigou com a rosa
Debaixo daquele sol
O cravo saiu ferido

A rosa...
A rosa conheceu o girassol
Num jardim encantado
A rosa amou o girassol

O girassol amava Apolo
Apolo não amava o jardineiro

O jardineiro,  a orquídea

A orquídea...
A orquídea poderia ter amado o girassol

Perto do querubim encravado na fonte da praça
Uma rosa, enroscada em si,
Admirava o girassol
Mas ele só teve olhos para o sol...

O cravo e a orquídea
A rosa e o girassol...
Foram feridos...

O querubim encravado na fonte da praça
A orquídea e o girassol
A rosa e o jardineiro
Adeus ao cravo

O cravo brigou com a rosa
Debaixo de uma sacada
O cravo saiu ferido
A rosa despedaçada

Adeus à orquídea negra
Adeus ao girassol
A rosa tinha razão
Entre a orquídea o girassol e o querubim há o céu...

O cravo ficou doente
A rosa foi visitar
O cravo teve um desmaio
A rosa pôs-se a chorar...

Dhenova


O beija flor

Vejo a flor
que beijou o beija-flor
morro de ciúmes

O cume do desejo
é o beijo
e a flor é o perfume

Fica no ar
a vontade de cheirar
Jardim inteiro

Beija-flor
vem ser meu jardineiro.

Lua Serena

--------

jardineiro pássaro

na terra generosa
cultiva flores extraviadas
frescor e viço
ao feitiço
dos beijos do sol

jardineiro pássaro
deglute significados
de poesia

aos campos silentes
seu trinado lírico
chuvisca raras sementes
que lhe voam do bico

sacharuk


Inspiraturas – oficina de escrita literária
Dinâmica: clichê – originalidade – desconstrução
www.inspiraturas.org
inspiraturas1@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário