Queremos o fim da página em branco. No projeto Inspiraturas tu podes treinar e desenvolver uma escrita mais sensível, espontânea e livre. Uma forma lúdica de derramar as palavras ainda não escritas.
OFICINA DE ESCRITA LITERÁRIA INSPIRATURAS - Repaginada para 2020 - novos desafios - inscreve-te! Integra conceitos, técnicas e inspiração em desafios lúdicos e escreve poesia, crônicas e contos

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

haicai submerso

haicai submerso

nosso amor profundo
de água vento e areia
é chão no oceano

sacharuk


haicármico

haicármico

enquanto não colhes
a natureza te ama
e te deixa dormir

sacharuk


haicai da plenitude

haicai da plenitude

tua alma guarda
surpresas e os encantos
tudo e além

sacharuk


pele e sal

pele e sal

poros de areia
teu par de dunas habita
doces fantasias

sacharuk


haicai na lua

haicai na lua

boca de vento
e ouvidos de maré
que dançam na lua

sacharuk


haicai de boca

haicai de boca

um beijo é pouco
precisa muita saliva
a regar a rosa

sacharuk


tua voz

tua voz

esperava-me crua
no distante oriente
guardiã dos absurdos
que perpassam as noites

eloquente
a lua
amava-me aos sussurros
suave e tranquila
imitava tua voz

sacharuk


entre as papilas da etimologia

entre as papilas da etimologia

catarse promete sabores 
amargos e ácidos
difíceis de engolir e vomitar

apreendi o gosto 
quando a provei 
entre os papilas 
da etimologia

e não é nada doce

sacharuk


lua ciumenta

lua ciumenta

a lua espreita
pensa-se dona
não sabe da sinfonia que toca
se pisco meus olhos

lua ciumenta
não se rende
e resiste

pobre lua
ela até tenta
mas na nossa cama
não nos vê

sacharuk



Esses tais loucos... os poetas, de Lino D'Acácia

Panapanã - A poesia das borboletas



Poetas!

Hora de aliviar as tensões do ano eleitoral e participar da antologia de poemas "Panapanã - A poesia das borboletas", para distribuição gratuita em e-book.

Parâmetros:


1. O e-book será publicado para distribuição gratuita e serão disponibilizados, a quem desejar, miolo e capa finalizados para eventual impressão;

2. Os poemas serão acerca do universo semântico das borboletas e seus paralelos com as condições humanas. E, ainda, devem explorar o uso de figuras de linguagem;

3. O título dos poemas deverão constar no início das obras;

4. A assinatura do autor deverá constar ao final das obras;

5. Não usaremos caixa alta na redação dos poemas;

6. Cada autor pode participar com até quatro poemas, os quais deverão ser postados nesse grupo fechado e restrito aos membros participantes da coletânea (link: https://www.facebook.com/groups/291699231421445/):

7. Cada autor deverá redigir uma pequena autobiografia de até oitenta palavras e postar no grupo (link: https://www.facebook.com/groups/291699231421445/):

8. A coleta dos poemas encerrará às 24h do dia 31 de dezembro de 2018;

9. Cada autor deverá autorizar a utilização dos poemas postando declaração nesse grupo segundo o modelo: "Autorizo INSPIRATURAS - Escrita Criativa a publicar os poemas de minha autoria, de títulos: 1-....., 2- ...., 3 - .... e 4- .... , sem a implicação de nenhum ônus ou retribuição, na antologia de poemas "Panapanã - A poesia das borboletas" para distribuição gratuita. Declaro ser o autor das obras enviadas e concordar com a publicação das mesmas."

10. INSPIRATURAS está disposta a considerar ideias e colaborações para a finalização do projeto.

Curte a página INSPIRATURAS e solicita a tua participação. É gratuita!

Boas inspirações a todos!

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

SOS verve II

SOS verve II

SOS verve:
só uma metade já serve
eu cubro com uma cereja
hoje tudo pode
menos melacueca de pagode
ou ranço de guampa sertaneja.

oh, poeta, não se enerve
é só chamar no ferve-ferve
e a parceria já verseja
a poesia dá o bote
alcança macia a sorte
da companhia benfazeja

eu já tenho certeza
que quando penso forte
o tico fala ao norte
o teco responde ao sul
que a essa hora da noite
o céu já não é mais azul

melhor é deixar a correnteza
levar assim sem recorte
versos de alguma beleza
vindos do sul ou norte
espalhar delicadezas
por onde quer que toquem

antes que as fontes sequem
liberamos as correntezas
comprei uma cachaça forte
deixei um copinho sofre a mesa
caso a gente se entorte
declamaremos de língua presa

E mesmo dado por encerrado
não consigo me deixar de fora
estando tudo certo e nada errado
deixo meu recado agora:
mesmo com o tico e o teco avariados
ainda somos massa nos recados!

Marisa Schmidt & sacharuk


segunda-feira, 6 de agosto de 2018

vai mulher anda comigo



vai mulher anda comigo

vai mulher anda comigo
          pela costa da laguna
     onde o amor faz abrigo
e Netuno faz a Lua
brotar na sua cabeça

espia a tristeza na rua
e meu mergulho inusitado
lê meu poema encantado
 antes que me esqueças
            vê nas frestas da janela
            que essa noite espera
            que sejamos amantes

o caminho tão distante
        vou cego viajante
no traçado das quimeras
            provar a tua pele
na língua portuguesa

o demônio sobre a mesa
o messias sobre as águas
quando ainda me aguardas
na torre onde tu moras
onde sempre te acordas
ao sopro do meu fantasma

ele te devolve a vida
num feixe iluminado
o teu barco à deriva
tem a guia na vontade
do meu coração calado
              duro de pedra

o caminho tão distante
        vou cego viajante
no traçado das quimeras
            provar a tua pele
na língua portuguesa

vai mulher anda comigo
              pela costa do mar
imprimir nossas pegadas
   pelo curso das gaivotas
no próximo sol doce
eu só quero te abraçar

jardineiro das memórias
eu cato as flores mortas
que viveram tão valentes
são crianças inocentes
horizontes da história
reflexos da eternidade
nossas faces no espelho

o caminho tão distante
        vou cego viajante
no traçado das quimeras
            provar a tua pele
na língua portuguesa

sacharuk


SOS verve I

SOS verve I

SOS verve:
uma metade já serve
e eu cubro com uma cereja
hoje tudo pode
menos melacueca de pagode
ou ranço de guampa sertaneja

Vem escrever a estratosfera! que megera é essa de tênue razão? carcomeremos o ego da plebe com fios de saltos perfurando o chão

vêm escrever sem sequelas! Que a espera é só alienação. Acenderemos o fogo da febre com versos altos gritando emoção

e que haja a benção dos bruxos no sonho dos loucos ! completa amplidão ! 🤗😍

Marcia Poesia de Sá & sacharuk

fotografia de Andréa Iunes

domingo, 5 de agosto de 2018

borrão

borrão

não bebi a Clarice Lispector
não comi o Augusto dos Anjos
leminski ou mário ou manoel
sou só medíocre escritor
de nenhum cânone eu manjo
só sei jogar no papel

sacharuk