A poesia delira ao diapasão e, logo, intenta aos acordes da lira. Poesia que tanto descreve saliva de beijo, bem como a imagem do pensador com o queixo poisado nos dedos. Poesia pode andar no eixo para não ouvir queixa, mas pode andar fora e criar desavenças. Há poesia das crenças, poesia do lixo, poesia pretensa, poesia das gentes, poesia dos bichos. Ela é o amálgama do mundo, verte por tudo. É ofício dos nobres, sedução dos espertos, marofa dos pobres e sina dos vagabundos. Também vive escondida na língua dos analfabetos. Poesia é isso tudo e mais outro tanto, no entanto, poesia não é absurdo. Absurdo é querer-se mudo; absurdo é querer-se surdo; absurdo é querer-se cego. (Tudo e mais outro tanto - sacharuk)

OFICINA DE ESCRITA LITERÁRIA INSPIRATURAS - on line e presencial - novos desafios - inscreve-te! Integra conceitos, técnicas e inspiração em desafios lúdicos e escreve poesia, crônicas e contos

segunda-feira, 27 de julho de 2020

mar de desenganos

mar de desenganos

naveguei o mar dos desenganos
naufraguei com meus planos
refiz o destino ao piano
outro improviso
de outra canção

brotou paixão mexicana
eloquência cigana
natural sedução

naveguei oceanos de encantos
mergulhei nos recantos
diluído em recatos mundanos
com água na embarcação

naveguei o mar dos desenganos
vivi séculos em anos
busquei o que amo
tanto indeciso
na minha razão

atraquei em mares de lama
nas marés mais insanas
na mais profunda escuridão

naveguei uma dúzia de arcanos
atravessei oceanos
a desaguar emoção

sacharuk
17d5af8953e3a48c2983acc95cdcab31

Nenhum comentário:

Postar um comentário