A poesia delira ao diapasão e, logo, intenta aos acordes da lira. Poesia que tanto descreve saliva de beijo, bem como a imagem do pensador com o queixo poisado nos dedos. Poesia pode andar no eixo para não ouvir queixa, mas pode andar fora e criar desavenças. Há poesia das crenças, poesia do lixo, poesia pretensa, poesia das gentes, poesia dos bichos. Ela é o amálgama do mundo, verte por tudo. É ofício dos nobres, sedução dos espertos, marofa dos pobres e sina dos vagabundos. Também vive escondida na língua dos analfabetos. Poesia é isso tudo e mais outro tanto, no entanto, poesia não é absurdo. Absurdo é querer-se mudo; absurdo é querer-se surdo; absurdo é querer-se cego. (Tudo e mais outro tanto - sacharuk)

OFICINA DE ESCRITA LITERÁRIA INSPIRATURAS - on line e presencial - novos desafios - inscreve-te! Integra conceitos, técnicas e inspiração em desafios lúdicos e escreve poesia, crônicas e contos

domingo, 26 de julho de 2020

detrás da secura dos prantos

detrás da secura dos prantos

eu quis tanto saber
entender essa cor
que irrompe solene
dos teus olhos brancos

quiçá seja nela
que escondes o amor
bem detrás
da secura dos prantos

eu quis tanto saber
desvendar-te os encantos
os que tu ocultas
tão bem no teu plexo

eu quis tanto saber
explorar-te os recantos

eu quis tanto saber
desnudar-te ao sexo

mas tu ademais
esqueceste o calor
já não queres mais
abrigar-te ao meu manto
sequer circular
entre os meus hemisférios

agora que tu
já provaste o rancor
não mais ouvirás
meu tristes lamentos
não vou mais decifrar
os teus mistérios

sacharuk

Nenhum comentário:

Postar um comentário