A poesia delira ao diapasão e, logo, intenta aos acordes da lira. Poesia que tanto descreve saliva de beijo, bem como a imagem do pensador com o queixo poisado nos dedos. Poesia pode andar no eixo para não ouvir queixa, mas pode andar fora e criar desavenças. Há poesia das crenças, poesia do lixo, poesia pretensa, poesia das gentes, poesia dos bichos. Ela é o amálgama do mundo, verte por tudo. É ofício dos nobres, sedução dos espertos, marofa dos pobres e sina dos vagabundos. Também vive escondida na língua dos analfabetos. Poesia é isso tudo e mais outro tanto, no entanto, poesia não é absurdo. Absurdo é querer-se mudo; absurdo é querer-se surdo; absurdo é querer-se cego. (Tudo e mais outro tanto - sacharuk)

OFICINA DE ESCRITA LITERÁRIA INSPIRATURAS - on line e presencial - novos desafios - inscreve-te! Integra conceitos, técnicas e inspiração em desafios lúdicos e escreve poesia, crônicas e contos

domingo, 26 de julho de 2020

vamos para casa

IMG_20171005_123310395

vamos para casa

procura o destino de cada coisa
procura o sentido de cada palavra
procura aquilo que faz dizer não
onde está a verdade de cada não?

logo te levo para minha casa
logo alí onde moram mistérios
sentaremos ao colo da noite
antes mesmo que o sol acorde

vamos para casa
viver da beleza
viver as incertezas
que temos para nós
e não vais viver só

venhas comigo
venhas comigo
podes ver quando a lua declina?
podes sentir o pulso da vida?

venhas comigo
venhas comigo
correr pelos campos dos lírios infindos
lá onde apenas nós dois existimos

se tu me amas
o universo conspira
se tu me amas
nosso santo ajuda
venhas fazer
tudo aquilo que queres
venhas fazer
tudo aquilo que quero

procura onde mora cada resposta
procura sentido onde nada importa
procura saber sobre tudo o que fere
qual o valor do não mais nos serve?

logo te levo para meu mundo
logo alí onde acaba o inverno
e sentaremos ao colo da noite
antes mesmo que o sol acorde

vamos para casa
viver da beleza
viver as incertezas
que temos para nós
e não vais viver só

venhas comigo
venhas comigo
podes ver quando a lua declina?
podes sentir o pulso da vida?

venhas comigo
venhas comigo
correr pelos campos dos lírios infindos
lá onde apenas nós dois existimos

se tu me amas
o universo conspira
se tu me amas
nosso santo ajuda
venhas fazer
tudo aquilo que queres
venhas fazer
tudo aquilo que quero

vamos para casa

sacharuk

Nenhum comentário:

Postar um comentário