A poesia delira ao diapasão e, logo, intenta aos acordes da lira. Poesia que tanto descreve saliva de beijo, bem como a imagem do pensador com o queixo poisado nos dedos. Poesia pode andar no eixo para não ouvir queixa, mas pode andar fora e criar desavenças. Há poesia das crenças, poesia do lixo, poesia pretensa, poesia das gentes, poesia dos bichos. Ela é o amálgama do mundo, verte por tudo. É ofício dos nobres, sedução dos espertos, marofa dos pobres e sina dos vagabundos. Também vive escondida na língua dos analfabetos. Poesia é isso tudo e mais outro tanto, no entanto, poesia não é absurdo. Absurdo é querer-se mudo; absurdo é querer-se surdo; absurdo é querer-se cego. (Tudo e mais outro tanto - sacharuk)

OFICINA DE ESCRITA LITERÁRIA INSPIRATURAS - on line e presencial - novos desafios - inscreve-te! Integra conceitos, técnicas e inspiração em desafios lúdicos e escreve poesia, crônicas e contos

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Rio Oceano



rio oceano

se sobrevoo o rio
martim das asas azuis
da linha da vida o risco
do norte até o sul
costura rasgos sombrios

então oferto às águas
todas as coisas que sou

percorro córregos mansos
pelos teus recantos
até beber um oceano
vertido sobre teus olhos

se sobrevoo o rio
uma ave intrusa
de asas que não encolhem
nem sequer sob a chuva
que se queda por nós

então oferto às águas
todas as coisas que sou

percorro as tuas rotas
por todos cantos
até beber um oceano
vertido sobre teus olhos

sacharuk


segunda-feira, 13 de julho de 2015

a sapiência dos sapos

Ilustração: Piliero Adesivos

a sapiência dos sapos

pergunta ao sapo
acerca do que sabe
 ele dirá:

nada, nada, nada

a sapiência dos sapos
ensina a nadar
entender o alarido
nas águas turvas
do lago dos girinos

lá o vento
não faz curva
mas ensina
a romper oceanos

lamento
amigo destino
se não tracei planos
à minha sina

sacharuk

quarta-feira, 8 de julho de 2015

autofake

Ilustração: Piliero Adesivos

a sapiência dos sapos

pergunta ao sapo
acerca do que sabe
 ele dirá:

nada, nada, nada

a sapiência dos sapos
ensina a nadar
entender o alarido
nas águas turvas
do lago dos girinos

lá o vento
não faz curva
mas ensina
a romper oceanos

lamento
amigo destino
se não tracei planos
à minha sina

sacharuk

nos anais

Nos anais

Reger o continente depravado
É missão de sinistros animais,
Assassinos, ladrões e generais,
No parlamento esplêndido do Estado!

Organizam discípulos desleais...
A vil conspiração do Consulado
Por homens de respeito invalidado
Em quartéis, ministérios, catedrais

São bestas que figuram nos anais
Presidentes, senadores, deputados
E os juízes, assessores e cardeais

E o povo indolente e seviciado
Dá de costas, de frente e de lado
E vez por outra ainda pede mais.

David Moura & Sacharuk


segunda-feira, 6 de julho de 2015

bicho carpinteiro

bicho carpinteiro

bicho carpinteiro
é o bagunceiro da escola
coleguinha "sem noção"
nunca aprende a lição

chutou tão forte a bola
sequer havia goleiro
arrancou a flor do canteiro
o monstrinho está por fora

é um bichinho bobão
que não sabe ouvir "não"
nunca escuta a professora
briga durante o recreio

quando o bicho diz nome feio
os seus amigos vão embora
adora bancar o machão
é criador de confusão

e todos esperam a hora
do bicho ser menos arteiro
se não mudar isso agora
jamais terá companheiros

sacharuk

almas de vento

Almas de Vento

E de que metade nos assemelha o sabor?
a coloração tácita do cérebro
um elo entre o visível e o invisível

- Quem somos nós?

Prendemos versos entre anéis do infinito
onde o fogo arde a dança néscia
um alimento ao irreal impossível

Não estamos sós!

Poetas das entranhas benignas
malditos seres com almas de vento...

- Quem somos nós, rastejantes?
ou voadoras flechas do intelecto?

Somos os prestiditadores dos signos
bardos confinados às letras e cantos
não estamos sós, mesmo distantes
nas sonhadoras curvas do dialeto

Inquietamo-nos sem saber...
aquietamo-nos por preguiça!
somos o raio que simboliza
e a dor que agoniza
inocência e malícia
de escrever.

Márcia Poesia de Sá & Sacharuk