A poesia delira ao diapasão e, logo, intenta aos acordes da lira. Poesia que tanto descreve saliva de beijo, bem como a imagem do pensador com o queixo poisado nos dedos. Poesia pode andar no eixo para não ouvir queixa, mas pode andar fora e criar desavenças. Há poesia das crenças, poesia do lixo, poesia pretensa, poesia das gentes, poesia dos bichos. Ela é o amálgama do mundo, verte por tudo. É ofício dos nobres, sedução dos espertos, marofa dos pobres e sina dos vagabundos. Também vive escondida na língua dos analfabetos. Poesia é isso tudo e mais outro tanto, no entanto, poesia não é absurdo. Absurdo é querer-se mudo; absurdo é querer-se surdo; absurdo é querer-se cego. (Tudo e mais outro tanto - sacharuk)

OFICINA DE ESCRITA LITERÁRIA INSPIRATURAS - on line e presencial - novos desafios - inscreve-te! Integra conceitos, técnicas e inspiração em desafios lúdicos e escreve poesia, crônicas e contos

quarta-feira, 1 de julho de 2020

navegante solitário–acróstico

navegante solitário

Navegar obscuros oceanos
Ancorado nas esperanças
Velas vãs voltadas ao norte
Esperando na proa dos anos
Girar o leme das lembranças
Ao mando da estrela da sorte
Naufragar repetidos enganos
Tempestades ou bonanças
Encontrar as águas da morte

Solitário se fez navegante
Os ventos como companhia
Longa vida em mares distantes
Iluminado pelo horizonte
Timoneiro da capitania
Amigo das correntezas
Refugiado entre céu e terra
Investido dessas profundezas
Onde a vida se encerra

sacharuk

12177602_10204900817390985_1199940503_o

Nenhum comentário:

Postar um comentário