A poesia delira ao diapasão e, logo, intenta aos acordes da lira. Poesia que tanto descreve saliva de beijo, bem como a imagem do pensador com o queixo poisado nos dedos. Poesia pode andar no eixo para não ouvir queixa, mas pode andar fora e criar desavenças. Há poesia das crenças, poesia do lixo, poesia pretensa, poesia das gentes, poesia dos bichos. Ela é o amálgama do mundo, verte por tudo. É ofício dos nobres, sedução dos espertos, marofa dos pobres e sina dos vagabundos. Também vive escondida na língua dos analfabetos. Poesia é isso tudo e mais outro tanto, no entanto, poesia não é absurdo. Absurdo é querer-se mudo; absurdo é querer-se surdo; absurdo é querer-se cego. (Tudo e mais outro tanto - sacharuk)

OFICINA DE ESCRITA LITERÁRIA INSPIRATURAS - on line e presencial - novos desafios - inscreve-te! Integra conceitos, técnicas e inspiração em desafios lúdicos e escreve poesia, crônicas e contos

segunda-feira, 27 de julho de 2020

pedaços meus


pedaços meus

sortilégio afinal
estavam no tempo os momentos
desunindo os meus fragmentos
perdi a frieza formal

o alicate o alicate
escansões com pedaços meus
digressões ocultas nos véus
afasta os dedos e bate
e bate

tão musical
escandir dividindo meus eus
devastando do chão aos meus céus
sortilégio é caminho natural

e nas letras do livre combate
o que surge é livre
informal
tão musical não musical
a catar e catarse o resgate

escandir distintos rebentos
o salto no piso ainda bate
e bate
pregando sem dó minha arte
em vez dos distanciamentos

aceita então meus lamentos
se esqueço da métrica formal
abraço um anjo infernal
tão perto dos meus sentimentos

sacharuk


Nenhum comentário:

Postar um comentário