A poesia delira ao diapasão e, logo, intenta aos acordes da lira. Poesia que tanto descreve saliva de beijo, bem como a imagem do pensador com o queixo poisado nos dedos. Poesia pode andar no eixo para não ouvir queixa, mas pode andar fora e criar desavenças. Há poesia das crenças, poesia do lixo, poesia pretensa, poesia das gentes, poesia dos bichos. Ela é o amálgama do mundo, verte por tudo. É ofício dos nobres, sedução dos espertos, marofa dos pobres e sina dos vagabundos. Também vive escondida na língua dos analfabetos. Poesia é isso tudo e mais outro tanto, no entanto, poesia não é absurdo. Absurdo é querer-se mudo; absurdo é querer-se surdo; absurdo é querer-se cego. (Tudo e mais outro tanto - sacharuk)

OFICINA DE ESCRITA LITERÁRIA INSPIRATURAS - on line e presencial - novos desafios - inscreve-te! Integra conceitos, técnicas e inspiração em desafios lúdicos e escreve poesia, crônicas e contos

quinta-feira, 18 de junho de 2020

A cerimônia do adeus na literatura

A cerimônia do adeus na literatura
 
DIÁRIO DA MANHÃ

HÉLIO MOREIRA

Cada escritor, na sua luta para encontrar a sintonia das palavras com o ambiente que está descrevendo nas suas resenhas literárias (romance, crônica ou conto), muitas vezes veste a roupa do personagem e finge que Se a cena descreve a despedida de dois apaixonados, a dificuldade pode ser maior pela necessidade de se fugir da pieguice ingênua ou do diálogo que não transmite a emoção necessária e desejada pelo autor; ambas as situações poderão comprometer todo o trabalho literário.

Transcrevo, a seguir, trecho de um livro (Diário de Moscou – Walter Benjamim - Cia. das Letras, 1989), onde esta temática esteve presente, pois o autor narra um destes momentos, com maestria e, sobretudo, enorme carga emocional.

Para que os leitores possam sentir todo o arrebatamento da cena, permito-me tecer, em rápidas palavras, algumas considerações sobre o citado livro.

Walter Benjamim, filósofo, escritor e ensaísta alemão empreendeu em 1926, uma viagem à Moscou, com três finalidades: reencontrar um grande amor, uma jovem letã de Riga de nome Asja Lacis, atriz de teatro e revolucionária comunista, que ele conhecera em Capri em 1924; em segundo lugar estudar a situação política, social e literária da Rússia pós 1917, já sob a tutela de Stalin e, finalmente, cumprir compromissos literários com uma revista alemã que custeou sua viagem (escrever sobre a vida na Rússia).

O segundo objetivo deixou marcas profundas na sua sensibilidade, pois ele teve amargas decepções com a realidade local, principalmente se levarmos em consideração as expectativas otimistas que o animaram a fazer a viagem.

Paulatinamente, a leitura do livro vai mostrando, página após página, que Benjamim perdia todas as ilusões que havia nutrido por vários anos de militância no movimento esquerdista; a decepção da experiência levou-o, mais tarde, a desistir da sua possível filiação ao Partido Comunista Alemão, projeto que analisava há mais de dois anos.

O terceiro objetivo, felizmente para a literatura, foi cumprido; nada menos que quatro publicações e um extraordinário ensaio, que ele denominou “Moscou”, foram publicados a partir de 1927.

Não resta dúvida que a figura de Asja Lacis domina as páginas do livro, embora fosse a razão principal daquela sua viagem, o relacionamento entre os dois foi muito difícil e problemático; ao lado da atração erótica, ela exercia sobre ele uma enorme influência intelectual.

Para agravar a situação, Asja encontrava-se doente e hospitalizada em um sanatório; o tempo que conseguem ficar juntos, o fazem, em grande parte, no quarto dela no hospital.

Está relatado, com cruel exatidão, o tempo que ele espera, em vão, por Asja; sua repulsa, até com certa dose de cinismo erótico, aos acontecimentos que ele não conseguia dominar.

Depois de “suportar” por pouco mais de 30 dias esta pressão, ele resolveu partir; a cena da despedida, que transcrevo abaixo, é uma das mais belas da literatura; embora fosse real, qualquer romancista a copiaria em uma grande obra de ficção; sugiro ao leitor que imagine a cena ocorrendo em uma rua deserta de Moscou coberta de neve, vento gelado congelando a voz da despedida e o aceno que ia desaparecendo à medida que empalidecia a claridade do crepúsculo e o trenó se distanciava.

“Finalmente, como só restavam poucos minutos, minha voz começou a falhar e Asja notou que eu estava chorando. Então ela disse: “Não chore, senão vou acabar chorando também e uma vez quando começo, não consigo parar tão facilmente, como você”. Abraçamo-nos com força e saí do quarto com minha mala. Asja seguiu-me; pedi-lhe em seguida que chamasse um trenó. Mas quando eu estava para subir, tendo já me despedido dela mais uma vez, convidei-a para ir comigo até a esquina da Tverskaia. Lá ela desceu e, quando o trenó já estava começando a andar novamente, puxei de novo sua mão para os meus lábios, no meio da rua. Ficou lá, durante muito tempo, acenando. Acenei de volta, do trenó. Primeiro, pareceu-me que ela olhava para trás enquanto andava, depois não a vi mais. Com a enorme mala no colo, chorando pelas ruas já sob a luz do crepúsculo, continuei até a estação ferroviária”.

(Hélio Moreira, membro da Academia Goiana de Letras, Academia Goiana de Medicina, Instituto Histórico e Geográfico de Goiás)













Um comentário:

  1. No meu entender, o que há de mais belo na profissão do escritor é a capacidade de expor seus sentimentos dentro de um contexto universalmente conhecido. A dor de deixar um grande amor e de enterrar nossas mais caras ilusões será sempre a mesma...Quer numa gélida rua de Moscou, quer numa praia escaldante do Brasil...

    ResponderExcluir