A poesia delira ao diapasão e, logo, intenta aos acordes da lira. Poesia que tanto descreve saliva de beijo, bem como a imagem do pensador com o queixo poisado nos dedos. Poesia pode andar no eixo para não ouvir queixa, mas pode andar fora e criar desavenças. Há poesia das crenças, poesia do lixo, poesia pretensa, poesia das gentes, poesia dos bichos. Ela é o amálgama do mundo, verte por tudo. É ofício dos nobres, sedução dos espertos, marofa dos pobres e sina dos vagabundos. Também vive escondida na língua dos analfabetos. Poesia é isso tudo e mais outro tanto, no entanto, poesia não é absurdo. Absurdo é querer-se mudo; absurdo é querer-se surdo; absurdo é querer-se cego. (Tudo e mais outro tanto - sacharuk)

OFICINA DE ESCRITA LITERÁRIA INSPIRATURAS - on line e presencial - novos desafios - inscreve-te! Integra conceitos, técnicas e inspiração em desafios lúdicos e escreve poesia, crônicas e contos

segunda-feira, 27 de julho de 2020

Desafio: Retrato de personagem - www.inspiraturas.org

Retrato de Personagem 

O retrato de personagem compreende a descrição dos aspectos visuais – aparência física, fisionomia, vestuário, gestual etc -, bem como psicológicos ou emocionais – caráter, personalidade, ideal político ou religioso, etc. Lembrar que o retrato de personagem, a exemplo de toda descrição, deve ser funcional. 

O ‘nome’ ou ‘apelido’ da personagem pode se constituir em um elemento descritivo, em função dos conteúdos sócio-culturais a ele vinculados. Dessa forma, o nome da personagem, por si só, serve para identificá-la e inseri-la em determinado contexto. Zenaide, Zoraia e Sybila, por exemplo, são nomes próprios que funcionam para uma cartomante – e não para uma freira carmelita! 

A ‘aparência física’ e a ‘fisionomia’ são marcas que podem remeter a atributos psicológicos ou à vida pregressa da personagem, de acordo com conteúdos (preconceituosos ou não) cristalizados na sociedade. A falta de dentes indica as condições sociais da personagem. Uma cicatriz no rosto sugere um episódio anterior, marcante em sua história. 

O ‘vestuário’ da personagem é um elemento funcional. Uma cigana não se veste da mesma maneira do que uma freira carmelita. O vestuário, além de identificar a profissão ou grupo – social, étnico, etc – da personagem, também é índice de sua personalidade. Exemplo de retratos estereotipados: uma mulher que sempre veste blusas decotadas tem uma postura diante da vida diferente daquela outra que nunca mostra o colo. 

Os ‘acessórios habituais’ da personagem também devem ser observados. Jóias e outros acessórios revelam, além da posição social, e a época em que se passa a trama –, conteúdos internos da personagem. Grandes argolas de ouro possuem o mesmo significado do que discretos brincos de pérolas? 

Ainda em relação aos aspectos visuais, a ‘postura corporal’ (onde se inclui também o gestual) diz muito sobre a personagem. O modo como José dias (Dom Casmurro) caminha revela seu caráter.
Regra de Ouro: Para o retrato da personagem é válido o preceito: ‘mostrar o que pode ser visto, sugerir o que pode ser intuído.’
 
(Oficina de Criação Literária – Aulus Mandagará Martins)
 
Proposta: crie um conto, com tema livre, em que a personagem seja retratada de forma verossimilhante às possibilidades da realidade sociocultural proposta no enredo, ou seja, o retrato da personagem deve ser convincente. 

Boas inspirações!
















Nenhum comentário:

Postar um comentário